cemitério no peru faz sepultamento de caixão
Getty Images
Peru preocupa por aumento de número de óbitos


Devido a pandemia, o Peru prorrogou seu estado de emergência até o fim do mês de setembro. O país preocupa pelo aumento de número de óbitos causados pelo novo coronavírus , já que é o país com mais mortes a cada milhão de habitante em todo mundo no momento. A situação é explicada por falta de medidas eficazes e falta de investimentos na saúde.


Entre as medidas adotadas pelo governo para conter o contágio do novo coronavírus está evitar que a população saia de casa aos domingos. Além disso, também se autorizou que a população fosse proibida de usar seus próprios veículos para promover “igualdade na prevenção”, medida que já foi revogada.

Isso custou ao Peru altos números de infectados e de vítimas fatais da Covid-19. Até a última sexta-feira (28), o país tinha 622 mil pessoas contaminadas e 28.277 mortes. No entanto, os dados do Ministério da Saúde não são considerados confiáveis e especialistas apontam que o país já possui mais de 50 mil mortos.

Além das medidas de contenção, também são apontados como problemas a crise econômica, que deve ter retração de 17% neste ano, e a instabilidade da saúde no Peru. Assim como no Brasil, três ministros da Saúde ocuparam o posto da pasta desde o início da pandemia.

“O Estado foi lento em muitas coisas, algumas características nossas não ajudaram e o abandono do sistema de saúde custou caro. Mas também houve uma reação rápida, e hoje estamos dando um passo para trás necessário”, afirmou Patricia García, ex-ministra da pasta entre os anos de 2016 e 2017.

Ela afirmou ainda que “mais pessoas detidas em delegacias por violar regras de isolamento do que pacientes internados” no início da pandemia, o que apontaria a posição do governo de Martín Vizcarra, presidente do Peru atualmente, diante da crise sanitária.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários