Morador de Pequim caminhando com sua máscara de proteção
Reuters/Jason Lee
Morador de Pequim caminhando com sua máscara de proteção

Com o aparecimento de 106 novos casos de Covid-19 em Pequim desde quinta-feira, a capital chinesa resolveu limitar viagens, ampliar sua área de quarentena e fechar espaços esportivos e de entretenimento.

Veja também:

Anunciada por Doria, vacina Coronavac tem 90% de eficácia em testes contra vírus

Governo de Pequim decreta lockdown após novos casos de Covid-19

Militares indianos morrem em conflito com tropas da China

Na noite de segunda-feira, mais 10 bairros foram bloqueados. Cidadãos de grupos de risco e pessoas que entraram em contato com contaminados não podem deixar a cidade e ir para outras partes do país.

"Uma situação epidêmica na capital é extremamente severa", declarou ou porta-voz da cidade, Xu Hejian. "Agora precisamos tomar ações estritas para limitar um covid-19".

O governo municipal de Pequim anunciou que a cidade está em "estado de guerra" para enfrentar esse novo surto — o maior desde fevereiro. A capital chegou a não reportar casos por 56 dias seguidos.

De um dia para o outro, determinadas áreas da cidade receberam cercas, com entradas e exibições restritas e barreiras de segurança que funcionam 24 horas. Também foram suspensos os serviços de táxi, escolas foram fechadas e festas casamentos proibidas.

No total, 177 pessoas estão contaminadas atualmente com o novo coronavírus na China, duas delas em estado grave. O país contabiliza oficialmente 4.634 mortes na pandemia e mais de 84 mil casos.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários