Doria
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação
Anúncio da parceria do Instituto Butantan com a empresa chinesa foi feito na última semana

Anunciada pelo governo do Estado de São Paulo no último dia 11 com o nome de Coronavac , a vacina contra o Covid-19 que será produzida em parceria pelo  Instituto Butantan com o laboratório chinês Sinova Biotech apresentou novos dados satisfatórios no combate ao vírus: nas duas primeiras fases de testes, ela teve eficácia de 90% contra a doença.

Leia também
Conheça os detalhes da vacina brasileira anunciada por João Doria
Covid-19: veja quem é o homem que invadiu ato por vítimas e derrubou cruzes
Abertura pode elevar mortes em São Paulo em mais de 70%, diz FGV

Segundo informações da agência Bloomberg, a Sinovac apontou que os testes realizados comprovaram a segurança da vacina , além da capacidade de criar anticorpos no sistema imunológico dos candidatos, confirmando seu alto potencial. No comunicado, divulgado em coletiva de imprensa no último domingo (14), a empresa revelou também que não houve efeitos colaterais severos.

Os dados são dos resultados das duas primeiras fases de testes, realizadas na China . Ao todo, 743 pessoas com idades entre 18 e 59 anos participaram do processo e a expectativa é de que outras informações ainda possam ser divulgadas destes procedimentos, visto que um segundo grupo também recebeu as doses de vacina cerca de 28 dias depois do primeiro.

A vacina da Sinovac, ao lado da pesquisa realizada pela AstraZeneca na Universidade de Oxford, no Reino Unido, é uma das mais adiantadas no processo de criação de uma "arma" a ser utilizada no combate ao novo coronavírus (Sars-Cov-2).

Ambas devem realizar a fase três dos testes, em que o vírus será inoculado em candidatos, no Brasil , segundo país mais atingido pela Covid-19 , atrás apenas dos EUA .

    Veja Também

      Mostrar mais