policiais
reprodução
Policiais que participaram da morte de George Floyd tiveram acusações ampliadas

O policial Derek Chauvin, que ficou com o joelho em cima do pescoço de George Floyd por mais de sete minutos, teve sua acusação aumentada para homicídio em segundo grau (assassinato intencional não premeditado, quando o autor tem intenção de causar danos corporais).

A decisão partiu do promotor-geral de Minnesota, Keith Ellison.

Leia mais:  "Ele nunca vai vê-la se formar ou no altar", diz mãe da filha de George Floyd

Além disso, os outros três agentes que estavam com Chauvin também serão detidos pela polícia e vão ser acusados de serem cúmplices da ação que matou Floyd.

Antes, estes polícias haviam sido demitidos, mas não presos nem acusados formalmente.

Derek Chauvin tinha sido preso e acusado de homicídio culposo (quando não há intenção de matar) e assassinato em terceiro grau (quando é considerado que o responsável pela morte atuou de forma irresponsável).

A família de George Floyd afirmava que a punição em terceiro grau não era suficiente e pediam a ampliação da acusação.

Saiba mais:  George Floyd: após repercussão do caso nos EUA, esposa de policial pede divórcio

A família também pedia para que os outros polícias que participaram da ação também fossem punidos devidamente. Embora apenas Chauvin apareça no vídeo, com o joelho sobre o pescoço de Floyd, Lane, Kueng e Thao também ajudaram a imobilizar a vítima, segurando o corpo de Floyd.

    Veja Também

      Mostrar mais