Tegnell admitiu que houve erro estratégico e não esperava número tão alto de mortes por Covid-19
Wikipedia
Tegnell admitiu que houve erro estratégico e não esperava número tão alto de mortes por Covid-19

Após o governo da Suécia anunciar a abertura de um inquérito para averiguar a resposta à pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2), o epidemiologista Anders Tegnell, que elaborou a controversa estratégia de saúde pública sueca na crise sanitária, admitiu que poderia "ter feito uma estratégia melhor".

Leia também: Governo Bolsonaro publicou 653 mil anúncios em canais de fake news, aponta CPMI

"Se encontrássemos a mesma doença novamente, sabendo exatamente o que sabemos hoje, acredito que iríamos optar por alguma coisa entre o que a Suécia fez e o que o resto do mundo fez", disse o chefe da Agência de Saúde Pública do país a uma rádio local, em fala repercutida pelo jornal britânico "The Guardian". De acordo com Tegnell , o governo "conseguiria saber exatamente o que fechar para impedir a infecção de uma maneira melhor".

Questionado se o número de mortes foi maior do que ele esperava, o epidemiologista foi direto: "Sim, absolutamente". O chefe da Agência ainda ressaltou que usará as informações da atual pandemia para que o país se prepare melhor para um novo evento similar no futuro.

Leia também: Vacina de Oxford contra Covid-19 será testada no Brasil

"Outros países começaram já com muitas medidas de uma vez só. O problema é que você não sabe o que foi mais efetivo de fato. De qualquer maneira, perto do que fizemos, você poderia fazer sem impor um fechamento total", destacou Tegnell.

Você viu?

Ao contrário dos demais países europeus, a Suécia optou por um enfrentamento mais brando contra a Covid-19 , mantendo bares, escolas para menores de 16 anos e comércio em geral abertos, confiando na população para adotar medidas de distanciamento social adequadas.

No entanto, a estratégia causou o mais elevado índice de mortos per capita na comparação mundial, gerando críticas internacionais e internas sobre a gestão da pandemia. Para se ter uma ideia, de acordo com o portal "Our World in Data", a taxa de mortes diárias na Suécia está em 5,29 há semanas - contra 4,48 no Reino Unido, 4,35 no Peru e 4,34 no Brasil.

Quando comparado aos seus vizinhos nórdicos, os índices de morte ficam ainda maiores. Enquanto o país tem 449 mortes por milhão, a Noruega tem 45, a Finlândia tem 58 e a Dinamarca tem 100 - os três adotaram medidas de lockdown. Em números totais, até esta quarta-feira, a Suécia contabiliza 4.468 mortes por coronavírus, contra 580 na Dinamarca, 320 na Finlândia e 237 na Noruega, conforme dados da Universidade Jonhs Hopkins.

Inquérito

Na segunda-feira (1º), o primeiro-ministro da Suécia , Stefan Löfven, anunciou que o país faria um inquérito para avaliar a resposta à pandemia tanto em âmbito nacional, regional ou nas cidades. A ideia é que ele termine ainda antes do verão no hemisfério norte.

Leia também: Bilionário, dono da Havan tem auxílio emergencial de R$ 600 aprovado

A decisão ocorre após pressão dos partidos de oposição, tanto de direita como de esquerda, que consideram que a resposta do governo foi errada e que causou muitas mortes desnecessárias, especialmente, em casas de repouso de idosos. Antes, Löfven havia anunciado que só seria criada uma investigação após o fim da pandemia .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários