Cloroquina
Reprodução
Testes clínicos em hospitais franceses não poderão mais utilizar o medicamento

governo da França vetou nesta quarta-feira (27) o uso da hidroxicloroquina no tratamento de pessoas que contraíram o novo coronavírus (Sars-CoV-2) fora de testes clínicos realizados em hospitais.

Leia também: Belo Horizonte: uma capital fora da curva da pandemia

O anúncio vem após a recomendação do Conselho Nacional para a Saúde Pública de suspender o tratamento com a droga de maneira ampla e da Agência Nacional de Remédios (ANSM) informar que não faria novos testes com o medicamento até "uma nova avaliação global dos riscos/benefícios".

No momento, a França realiza 16 testes clínicos com a hidroxicloroquina e, segundo a ANSM, eles serão concluídos normalmente.

A medida foi tomada após o maior estudo com a droga, que envolveu 96 mil pacientes, ter sido publicado no dia 22 de maio pela revista científica "The Lancet". A pesquisa mostrou que, além de não trazer benefícios para a cura da Covid-19, o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina aumentava tanto o risco de morte como o de arritmias cardíacas graves.

Na segunda-feira (25), a Organização Mundial da Saúde (OMS) também anunciou a suspensão dos testes com a hidroxicloroquina até que fossem compreendidos os riscos trazidos pela droga no tratamento dos pacientes com o novo coronavírus .

Leia também: Covid-19: Mortes sobem para 24,5 mil no Brasil; casos passam de 391 mil

No entanto, a OMS alertou que o uso do remédio para as doenças para o qual foi considerado seguro, incluindo o tratamento de lúpus e da malária, continua liberado normalmente. Nesta terça-feira (26), a Agência de Remédios da Itália também informou que suspendeu o uso da hidroxicloroquina para além de estudos médicos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários