Italiana passou 17 meses em cativeiro
Divulgação
Italiana passou 17 meses em cativeiro

Um parlamentar usou o plenário da Câmara dos Deputados da Itália nesta quarta-feira (13) para definir a jovem voluntária Silvia Romano, resgatada na Somália depois de 17 meses de sequestro, como "neoterrorista".

A ofensa foi feita pelo deputado Alessandro Pagano, do partido de extrema direita Liga, com o argumento de que Romano foi mantida em cativeiro pelo grupo terrorista Somali Al Shabab.

Leia também: Jovem italiana que se converteu ao Islã após sequestro sofre ameaças

Comandando a sessão, a vice-presidente da Câmara, Mara Carfagna, do partido conservador Força Itália (FI), aliado da Liga, interrompeu Pagano e disse que se referir à jovem usando o termo "neoterrorista" era "impróprio", mas partidos governistas cobraram um pedido de desculpas.

Você viu?

"É uma italiana, não uma neoterrorista. Alessandro Pagano tem o dever de pedir desculpas a Silvia Romano", disse o deputado Alessandro Borghi, do Partido Democrático (PD), de centro-esquerda.

Leia também: Grupo terrorista diz que recebeu dinheiro para libertar italiana

Já o presidente da Câmara, Roberto Fico, do antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), afirmou que "as palavras de ódio contra Silvia Romano são inaceitáveis". A jovem de 24 anos retornou à Itália no último fim de semana, mas tem sido alvo de insultos nas redes sociais por ter se convertido ao Islã, levando o Ministério Público de Milão a abrir um inquérito sobre possíveis ameaças.

Romano havia sido sequestrada no Quênia, em novembro de 2018, e entregue ao Al Shabab, um dos grupos terroristas mais ativos da África. Seu resgate ocorreu no último sábado (9), nos arredores de Mogadíscio, capital da Somália.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários