Uma semana depois de apresentar o projeto que limitava a venda de armas semiautomáticas no país , o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, anunciou nesta sexta-feira (01) a imediata suspensão das vendas das armas de assalto.

massacre
CBS News/ Reprodução
Atirador de 51 anos matou 22 pessoas incluindo civis e policiais no dia 19 de abril em Nova Escócia, zona leste do Canadá


A decisão do governo do Canadá inclui 1.500 modelos e marcas de armas de fogo, entre elas rifles e fuzis M16, M4, AR-10 e AR-15. "Estas armas são designadas para um único propósito e esse propósito é: matar um grande número de pessoas em um curto espaço de tempo. Não há uso e não há lugar para esse tipo de arma no Canadá. A partir de agora, não é mais permitido comprar, vender, transportar, importar ou usar armas de assalto de nível militar neste país", disse Trudeau.

Há uma estimativa que existam 83 mil modelos dessas armas em circulação no país, por isso, a nova regra terá um "período de anistia" de dois anos para os habitantes se enquadrarem.

Leia também: Trump critica posicionamento de Bolsonaro em combate à pandemia

A decisão veio após a morte de 22 pessoas na Nova Escócia, região leste do Canadá , no último dia 19 de abril. Um homem de 51 anos abriu fogo contra a população e alguns policiais. Foi o pior ataque do tipo no país desde a morte de 15 mulheres em Montreal no ano de 1989.

    Veja Também

      Mostrar mais