Navio
Reprodução
Imagens mostram estrutura do USNS Confort, que segue praticamente vazio por causa das burocracias

"Se eu puder ser franco, direi que isso é ridículo e uma grande piada. Se não vão nos ajudar, qual o sentido?". É assim que o médico Michael Dowling, chefe do Hospital Northwell Health, localizado em Nova York, avalia a 'ajuda' oferecida até o momento pelo navio hospital USNS Confort, da Marinha dos EUA, no combate a Covid-19, em entrevista ao The New York Times.

Leia também: EUA tem novo recorde com 1.169 mortes por Covid-19 em 24 horas

Destacado pelo governo de Donadl Trump para auxiliar na batalha contra o novo coronavírus (Sars-Cov-2) e ancorado no porto de Nova York desde o início da semana, o navio conta com uma estrutura hospitalar considerável e tem espaço para receber diversos pacientes. Entretanto, a burocracia tem dificultado a utilização dos leitos, que têm apenas 20 pacientes até o momento.

Outra embarcação, o  USNS Mercy , está ancorado em Los Angeles e também passa pela mesma situação: de acordo com o capitão, John Rotruck, apenas 15 pacientes estão sendo tratados no local.

Segundo informações, o objetivo inicial do uso das duas embarcações era aliviar os centros de tratamento intensivo dos hospitais norte-americanos que estão sobrecarregados, transferindo para os navios os pacientes que não estivessem infectados com a Covid-19 .

Entretanto, a burocracia e a extensa lista de protocolos militares têm evitado que tanto o Comfort quando o Mercy possam receber mais pacientes, o que gerou revolta entre médicos e funcionários de hospitais das cidades mais atingidas pelo vírus.

"Muitos podem dizer 'obrigado por disponibilizar esses lugares maravilhosos e esta estrutura excelente', mas nós estamos vivendo uma crise . Isso aqui se transformou em um campo de batalha. Não tem sentido querer dividir as pessoas. O ideal seria abrir para qualquer paciente", ressalta Dowling.

Leia também: Covid-19: Espanha ultrapassa Itália em número de casos; isolamento é prorrogado

Entre os principais problemas apontados pelos críticos estão o fato de que os navios não estão aceitando pacientes com diversos tipos de doença e que as ambulâncias não têm conseguido acessar diretamente as embarcações, necessitando primeiro da avaliação e autorização de algum hospital.

Ainda de acordo com a publicação, a expectativa é que o navio USNS Confort receba os pacientes que estão sendo tratados no centro de convenções Manhattna. Porém, ainda é incerto quando isso será realizado.

    Veja Também

      Mostrar mais