Agência Brasil

O Kremlin pediu hoje (13) aos repórteres que acompanham o presidente Vladimir Putin que não compareçam a eventos oficiais caso se sintam indispostos, uma medida de precaução para proteger do coronavírus os funcionários do governo.

Leia também: Presidente Jair Bolsonaro é diagnosticado com coronavírus, diz jornal

Vladimir Putin
Reprodução/Twitter/KremlinRussia_E
Vladimir Putin


O governo russo fez o apelo um dia depois de a câmara baixa do parlamento dizer que estava desinfectando suas dependências porque um parlamentar ignorou uma quarentena do coronavírus para comparecer a sessões da assembleia, incluindo uma em que Putin discursou.

Moscou informou que registrou oficialmente 34 casos de coronavírus e nenhuma morte, mas alguns médicos questionaram a precisão das cifras devido ao que classificam como uma inconstância de exames.

"Quero me dirigir a todos os membros do corpo de imprensa do Kremlin (que cobre Putin) e todos os jornalistas e editores... que cobrem as atividades do presidente no Kremlin", disse Dmitry Peskov, porta-voz de Putin .

Sinal de coronavírus

"Fiquem especialmente atentos em relação a qualquer sinal do coronavírus. Se simplesmente se sentirem indispostos, por favor, não venham ao Kremlin, não participem de atividades jornalísticas no Kremlin", afirmou.

Leia também: 16 volumes e 1,5 mil páginas: após 50 anos, processo de 1969 é julgado pelo STF

Peskov disse que os cuidados de saúde do próprio Putin são de nível extraordinariamente elevado e que ele está trabalhando plenamente. Ele não quis dizer se Putin fez um teste de coronavírus. "Informações detalhadas sobre a saúde do presidente não se destinam a uma publicação ampla", disse Peskov. Quanto ao incidente do parlamentar que ignorou as regras de autoisolamento do coronavírus, ele se disse "convencido de que o presidente não teve nenhum contato com este parlamentar".

Com informações de Maria Kiselyova, Alexander Marrow e Maria Tsvetkova - Repórteres da Reuters

    Veja Também

      Mostrar mais