Donald Trump só será afastado se o Senado o considerar culpado
Divulgação
Donald Trump só será afastado se o Senado o considerar culpado

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos , que é controlada pelos democratas, vai votar nesta quarta-feira (15) o envio dos artigos de impeachment do presidente do país, Donald Trump , ao Senado .

De acordo com a imprensa norte-americana, a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi , afirmou em uma reunião da legenda que também vai nomear os responsáveis da Casa que vão liderar a acusação contra o magnata republicano no julgamento.

Leia também: Presidente do Irã rejeita novo acordo nuclear e diz que Trump "quebra promessas"

O jornal The New York Times revelou que até o fim desta quarta-feira (15), os representantes da Câmara vão levar os artigos ao Senado, iniciando o processo de julgamento.

Você viu?

O atual presidente dos Estados Unidos sofreu impeachment na Câmara no dia 18 de dezembro, mas, de acordo com as regras do país, Trump só poderá ser afastado do cargo caso o Senado o considerar culpado.

Entretanto, no cenário atual, é improvável que o magnata sofra o impeachment, já que o Senado é dominado pelo Partido Republicano e onde a condenação dependerá do aval de maioria qualificada de dois terços. Por lá, a legenda conta com 53 senadores, número mais do que suficiente para evitar a deposição do presidente.

Até hoje, apenas dois chefes de Estado do país foram submetidos a processos de impeachment: Andrew Johnson (1868) e Bill Clinton (1998), ambos absolvidos - Richard Nixon renunciou em 1974, evitando um afastamento iminente por causa do escândalo "Watergate".

Leia também: Secretário desmente Trump e diz que não sabia de planos de Soleimani contra EUA

Trump é acusado de ter pressionado o presidente da Ucrânia, Volodymyer Zelensky, a anunciar uma investigação contra Joe Biden, pré-candidato à Casa Branca e cujo filho, Hunter, foi conselheiro de uma empresa ucraniana de gás, a Burisma. Para alcançar seu objetivo, o magnata seria congelado uma ajuda militar de quase US$ 400 milhões a Kiev.

    Leia tudo sobre: Impeachment

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários