Tamanho do texto

Em discurso, Hassan Rouhani disse que proposta de novo acordo é "estranha" e que voltará atrás em projeto nuclear se sanções dos EUA forem retiradas

Rouhani arrow-options
Reprodução/Twitter/HassanRouhani
Em discurso, presidente iraniano disse que 'acordo Trump' é estranho

Nesta quarta-feira (15), o presidente do Irã, Hassan Rouhani, se pronunciou sobre o novo acordo nuclear proposto pelos EUA e nações europeias, o qual chamou de 'Acordo Trump', dizendo que a proposta é "estranha" e que o presidente norte-americano tem um histórico de "quebrar promessas".

Leia também: Homem preso por matar menina Emanuelle já foi condenado por matar irmão

"Este primeiro-ministro em Londres, eu não sei o que ele pensa. Ele diz que devemos deixar de lado o acordo nuclear e colocar em prática o plano de Trump. O que nós fizemos até agora é reversível e está sob a supervisão da Agência Internacional de Energia Atômica", afirmou Rouhani, em entrevista à TV estatal do Irã , ressaltando ainda que o país pode voltar atrás no processo tão logo as sanções impostas pelos norte-americanos sejam revogadas.

No discurso, Rouhani pediu ainda que os EUA retornem ao pacto nuclear firmado entre os paises e que foi abandonado em 2018 por Trump . Desde a saída, o governo norte-americano vem impondo diversas sanções a economia iraniana, o que fez com que o país retomasse o processo de enriquecimento de urânio para a produção de armamentos.

Tal postura fez com que Reino Unido , França e Alemanha se juntassem e ativassem um mecanismo de solução de disputa , posicionamento que foi criticado e chamado de "erro estratégico" por Rouhani em seu pronunciamento.

Leia também: Após adiamento, Mourão deve reinaugurar estação na Antártica nesta quarta

O presidente do Irã disse que as nações europeias falharam em cumprir as promessas que haviam feito de proteger a economia iraniana das sanções dos EUA. Além disso, ressaltou que sua posição sempre foi voltada para a paz, mas que isso só poderá ser atingido quando os militares americanos deixarem o Oriente Médio : "pedimos que isso aconteça, mas sem qualquer tipo de confronto. Não queremos que haja insegurança no mundo".