Tamanho do texto

Mike Pompeo afirmou que a decisão de matar Qassem Soleimani foi tomada para desmobilizar um “ataque iminente” planejado pelo general

Soleimani arrow-options
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Mike Pompeu deu declarações sobre a morte de Soleimani


O Secretário de Estado dos EUA , Mike Pompeo , afirmou que o assassinato de Qassem Soleimani , um dos principais líderes do Irã, pretendia desmobilizar “um ataque iminente” que colocaria americanos em risco no Oriente Médio. As afirmações foram feitas em entrevistas a canais de TV nesta sexta-feira (03).

Pompeo afirmou que as ameaças eram localizadas na região, e que os EUA se basearam em análises de inteligência antes de decidirem pelo ataque. “Ele estava planejando ativamente para realizar ações na região –uma ação grande, como ele descrevia– que colocaria em risco dúzias, se não centenas, de vidas americanas. Nós sabemos que era iminente”, disse Pompeo. 

Leia também: Irã promete "vingança implacável" aos EUA por assassinato de general Soleimani

Apoio

No Twitter, o Secretário afirmou, ainda, que conversou com representantes da China, Reino Unido, Alemanha, França, Paquistão e Afeganistão sobre a decisão de Donald Trump de matar Qassem Soleimani . Nas postagens, Pompeo afirmou reiterar o compromisso estadunidense com a desescalada. 

Ao mencionar sua conversa com o Ministro de assuntos estrangeiros da França , Jean-Yves Le Drian , ele escreveu que “o combate à atividade maligna do regime iraniano é uma prioridade compartilhada com nossos aliados europeus. Nossa determinação em proteger nosso povo  e nossos interesses é inabalável”. 


O general iraniano Qassem Soleimani morreu em um bombardeio americano em Bagdá , capital do Iraque . O Pentágono confirmou que a ordem de matar o general veio diretamente do presidente Donald Trump .

    Leia tudo sobre: Donald Trump