Albânia
Team Albanians / Twitter / Reprodução
Imagens do terremoto foram divulgadas nas redes

Subiu para 25 o número de mortos no terremoto de magnitude 6.2 na escala Richter que atingiu a Albânia na última terça-feira (26).

Fontes oficiais da Albânia informaram à ANSA que cerca de 20 pessoas ainda estão desaparecidas. A maior parte das vítimas foi registrada em Durres, uma das cidades mais importantes do país e onde foram encontrados 13 corpos.

Leia também: Falas sobre AI-5 devem ser consideradas sob "aspecto pessoal", diz porta-voz

Outras 11 pessoas faleceram em Thumane, 20 quilômetros ao norte de Tirana , e uma pessoa morreu em Kurbin, a 50 quilômetros da capital albanesa. O governo proclamou estado de emergência por 30 dias em Tirana e Durres.

Inicialmente, o Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia da Itália ( INGV ), país vizinho à Albânia, calculara o terremoto com magnitude 6.4, mas depois revisou a medição para 6.2.

O tremor também deixou mais de 600 feridos, e em Durres, cidade mais afetada, pessoas tiveram de dormir em tendas, carros e até em um estádio de futebol após terem sido desalojadas de suas casas.

Solidariedade

Em sua audiência geral desta quarta-feira (27), o papa Francisco expressou solidariedade ao povo da Albânia, "que sofreu muito nos últimos dias".

"Estou próximo às vítimas e rezo pelos mortos, feridos e pelas famílias. Que o Senhor abençoe esse povo, a quem quero tão bem", acrescentou.

Já o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, participou do encontro anual da Organização para a Cooperação Islâmica e fez um apelo para os países muçulmanos ajudarem a Albânia.

Leia também: Bolsonaro se compromete a indicar em breve ministro evangélico para o Supremo

"Precisamos ficar todos juntos com a Albânia no que diz respeito ao tratamento dos feridos ou ao abrigo daqueles cujas casas colapsaram ou foram danificadas", disse. A maioria da população no país balcânico é muçulmana.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários