Tamanho do texto

Pelo Twitter, presidente disse que é contra a interferência de atores externos no conflito do país vizinho: "Estamos tomando as medidas necessárias"

Bolsonaro arrow-options
Valter Campanato/Agência Brasil
Bolsonaro repudiou invasão de apoiadores de Guaidó à embaixada da Venezuela

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) se manifestou pelas redes sociais no início da tarde desta quarta-feira (13) sobre a invasão da embaixada da Venezuela , em Brasília, por um grupo de 20 venezuelanos partidários do autoproclamado presidente Juan Guaidó , opositor do presidente Nicolás Maduro .

Bolsonaro afirmou que repudia a interferência de atores externos no conflito do país vizinho. “Estamos tomando as medidas necessárias para resguardar a ordem pública e evitar atos de violência, em conformidade com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas”.

O grupo, que entrou na embaixada por volta das 5h, defende que a indicada por Guaidó para o cargo de embaixadora no Brasil, Maria Teresa Belandria, passe a chefiar a embaixada.

Leia também: Boulos diz que Eduardo não tem embaixada e "quer ajudar a roubar a dos outros"

Diante da situação, centenas de apoiadores - tanto do presidente Nicolás Maduro como de seu opositor autoproclamado presidente - se dirigiram à embaixada para acompanhar de perto a situação. Alguns políticos também foram ao local para intermediar as negociações, bem como o coordenador geral de Privilégios e Imunidades do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Maurício Correia.

Mais cedo, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) se manifestou sobre o caso e informou, por meio de nota, que “o presidente da República jamais tomou conhecimento e, muito menos, incentivou a invasão da Embaixada da Venezuela, por partidários do Sr. Juan Guaidó”.

Leia também: “Só a cassação freará esse estúpido”, diz Haddad sobre Eduardo Bolsonaro

Ainda segundo a nota do GSI, tais acusações são feitas por “indivíduos inescrupulosos e levianos que querem tirar proveito dos acontecimentos para gerar desordem e instabilidade”, e que “as forças de segurança, da União e do Distrito Federal, estão tomando providências para que a situação se resolva pacificamente e retorne à normalidade”.