Tamanho do texto

Grupo formado por homens e mulheres vestidos de branco saiu da Embaixada após 12 horas. Sede é coordenada por funcionários de Maduro

Guaidó arrow-options
Reprodução/Twitter/jguaido
Presidente autoproclamado da Venezuela, Juan Guaidó.

Um grupo formado por cerca de 15 apoiadores do autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó , deixou o prédio da embaixada do país, localizada em Brasília , após uma ocupação que durou mais de 12 horas. 

Manifestantes que apoiam o presidente Nicolás Maduro realizaram protestos na manhã desta quarta-feira (13) em frente ao prédio, denunciando que o local foi invadido. Em contrapartida, seguidores de Guidó disseram que as portas foram abertas para que eles assumissem a Embaixada. 

Leia mais: Boulos diz que Eduardo não tem embaixada e "quer ajudar a roubar a dos outros"

A confusão entre defensores e críticos de Maduro se acentuou porque, apesar do governo Bolsonaro reconhecer Guaidó como presidente venezuelano , a sede diplomática em Brasília é administrada por funcionários do presidente Nicolás Maduro.

A Polícia Militar, coordenada pela Polícia Federal e pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE), acompanhou os apoiadores de Guaidó . O coordenador-geral de Privilégios e Imunidades do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Maurício Correia, foi o responsável pelas negociações que fizeram o grupo deixar o local, ao lado de Tomás Silva, ministro-conselheiro da embaixada da Venezuela no Brasil. 

Leia também: Bolsonaro repudia invasão de apoiadores de Guaidó à embaixada da Venezuela

Ligado ao presidente Maduro , o encarregado de negócios da Embaixada, Freddy Meregote, disse ao G1 que parte da negociação foi que o invasores não seriam detidos. Os envolvidos no ato apenas foram identificados e liberados em seguida. 

O grupo era formado por homens e mulheres vestidos de branco. Eles ficaram concentrados no jardim da Embaixada e saíram por um portão lateral para embarcar em um ônibus.

Ainda de acordo com o G1, a imprensa não teve acesso ao grupo, como também não foram divulgadas informações sobre o local para onde eles foram direcionados após deixar a Embaixada.