Tamanho do texto

Em conversa com ministro, Luis Fernando Camacho pediu ajuda ao governo brasileiro para que Evo Morales fosse impedido de tentar a reeleição no país

Camacho arrow-options
Reprodução/CNN
Principal nome da oposição boliviana, Camacho esteve com o presidente Bolsonaro em maio

Líder da ala radical do movimento oposicionista que resultou na saída de Evo Morales da presidência da Bolívia, o empresário e advogado Luis Fernando Camacho pediu ajuda ao governo brasileiro, no início de maio deste ano, para que Morales fosse impedido de tentar a reeleição . Segundo relato do próprio Camacho, ele teria recorrido pessoalmente ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Leia também: "Tá fumando muito ou tá no daime", diz Frota sobre Eduardo Bolsonaro governador

Em vídeo divulgado na época em redes sociais, Camacho disse ter pedido a Araújo que realizasse uma consulta na Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA). Um dos argumentos usados por ele era que a reeleição de Moraes seria inconstitucional.

"Tivemos o compromisso do chanceler [ Ernesto Araújo ] de realizar a consulta e que se realize a mesma para que tenhamos resposta antes do processo eleitoral", afirmou Camacho.

Procurado, o Itamaraty informou que a audiência, ocorrida no dia 2 de maio, era, na verdade, com a deputada Carla Zambelli (PSL-SP). A parlamentar estava acompanhada de Camacho e um grupo de parlamentares bolivianos, que estiveram com o chanceler para "tratar de temas de interesse para as relações bilaterais". De acordo com o Itamaraty, o opositor não manteve reunião ou conversa específica com o ministro.

Carla Zambelli disse que os deputados e senadores bolivianos entregaram uma carta pedindo para o Brasil se posicionar contra a candidatura à reeleição de Morales. Uma cópia do documento também foi deixada no Palácio do Planalto .

Leia também: Saída de Bolsonaro pode reacender conversa de fusão entre PSL e DEM

"O governo não deu resposta sobre essa carta. Essa solicitação foi deixada, mas o governo não agiu, até onde eu sei. Foi uma tentativa. Tanto é que o pedido era para que a reeleição nem acontecesse, que Evo Morales não tivesse o nome entre os concorrentes, porque a reeleição dele era inconstitucional. Já era a terceira reeleição dele, sendo que a Constituição da Bolívia é igual à do Brasil , só podia uma reeleição", disse a parlamentar.

Morales, na verdade, cumpre o segundo mandato sob a Carta boliviana de 2009, que só permite uma reeleição. Em fevereiro de 2016, ele convocou um referendo em que propunha mudanças constitucionais para acabar com esse limite. Derrotado na votação, Morales acabou candidatando-se ainda assim ao quarto mandato, sob a alegação de que era seu "direito humano" apresentar-se.

Evo Morales foi reeleito no fim de outubro, num pleito contestado pela oposição. Logo em seguida, o Itamaraty informou que não iria reconhecer, naquele momento, a reeleição de Morales, e defendeu uma auditoria completa da votação pela OEA.

A auditoria, cujo relatório preliminar foi divulgado no domingo, apontou irregularidades na apuração dos votos e concluiu que, embora Morales tenha vencido o pleito, como mostraram os números oficiais, era "estatisticamente improvável" que ela tivesse sido vitorioso no primeiro turno.

Leia também: Contas de Carlos Bolsonaro nas redes sociais são excluídas

Diante do resultado da editoria, Morales propôs a realização de uma nova eleição, com a renovação dos juízes do Tribunal Supremo Eleitoral. Mas Camacho, que lidera a ala radical da oposição, recusou a oferta e continuou pedindo a renúncia do presidente. Morales finalmente anunciou sua renúncia depois de pressionado pelas Forças Armadas , que "sugeriram" que ele deixasse o cargo para "pacificar" o país.