Tamanho do texto

Espera-se que a vice-presidente do Senado Jeanine Añez seja empossada como presidente interina do país até que se realize novas eleições

Agência Brasil

Evo Morales arrow-options
Reprodução/Twitter/evoespueblo
Evo Morales renunciou à presidência e pediu asilo no México

O Senado da Bolívia, representado pela vice-presidente Jeanine Añez, deve se reunir na tarde de hoje para aprovar a renúncia de Evo Morales , apresentada no último domingo (10). Se espera que Añez seja empossada como presidente interina do país até que se realize novas eleições. O mandato de Morales terminaria no dia 22 de janeiro de 2020.

Leia também: Ex-presidente dos EUA Jimmy Carter passa por cirurgia

Ele renunciou ao cargo, após uma onda de protestos que já durava 21 dias. Também renunciaram Álvaro García Linera, vice-presidente do país, Víctor Borda, presidente da Câmara de Deputados, e Adriana Salvatierra, presidente do Senado.

Cabe agora ao legislativo acatar a renúncia de Morales e dar início ao processo de novas eleições.

A Constituição boliviana estabelece que “em caso de impedimento ou ausência definitiva do presidente, ele será substituído pelo Vice-Presidente e, na ausência deste, pelo presidente do Senado, e, na ausência deste, pelo presidente da Câmara dos Deputados. Neste último caso, novas eleições serão convocadas dentro de um período máximo de noventa dias”.

México

Em um comunicado oficial transmitido na manhã de hoje pelo canal de televisão CNN en español , o ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard, informou detalhes do voo que leva o ex-presidente da Bolívia para o México .

Em relação a um possível asilo a familiares de Morales, Ebrard disse que ainda não há informações. O chanceler disse ainda que consultará Evo Morales se deseja dar alguma declaração oficial.

Leia também: Israel mata líder da Jihad Islâmica em Gaza e é retaliado com mísseis palestinos

Quanto à relação diplomática entre México e Bolívia, Ebrad afirmou que ainda é necessário ver como o processo político avança na Bolívia. Mas disse que reconhece que houve um agravamento da situação política na Bolívia