Tamanho do texto

Daniel Martínez, da governista Frente Ampla, de esquerda, e Luis Lacalle Pou, de centro-direita, podem voltar a se enfrentar no dia 24 de novembro

Daniel Martínez arrow-options
Reprodução/Twitter
Candidato da Frente Ampla, Daniel Martínez é o candidato do atual governo do Uruguai, que é progressista

Pesquisas de boca de urna mostram que a eleição presidencial no Uruguai será definida no segundo turno entre Daniel Martínez, da governista Frente Ampla, de esquerda, e Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional, de centro-direita.

Segundo a Cifra Consultoria, Martínez , ex-prefeito de Montevidéu, äparece com 39%, enquanto Lacalle Pou , que disputa sua segunda eleição, teve 29%. De acordo com os números da Equipos Consultores, Martínez chegou a 40,7% e Lacalle Pou teve 29,9% das intenções.

Uruguai escolhe novo presidente e Congresso neste domingo

No Uruguai, como no Brasil, a vitória no primeiro turno exige 50% mais um dos votos válidos. A divulgaçao dos resultados começará a ser feita às 21h. Segundo as autoridades, mais de 90% dos eleitores foram às urnas.

Desde os primeiros dias de campanha, que envolveram duras primárias, especialmente no Partido Nacional, ficava claro que o candidato do governo enfrentaria dificuldades para se eleger no primeiro turno.

Aos 84 anos, Mujica deixa aposentadoria para disputar vaga no Senado do Uruguai

Para analistas, uma nova votação pode ser extremamente arriscada, uma vez que a centro-direita poderia angariar apoio suficiente para derrotar a Frente Ampla, que está no poder desde 2006.

Luis Lacalle Pou arrow-options
BBC
Luis Lacalle Pou deve levar eleição uruguaia para o segundo turno



Além do presidente

A disputa envolveu outros 11 candidatos. Além do presidente, os eleitores decidiram sobre novos membros da Câmara e do Senado , além de um referendo sobre uma proposta de mudança constitucional conhecida como o projeto “Viver sem medo”.

O plano permitirá penas mais severas , autorização de buscas noturnas, prisão perpétua passível de revisão e a criação de uma guarda nacional militarizada.

Organizações de direitos humanos atacaram o projeto e a Frente Ampla o rejeitou por completo, mas Lacalle Pou mostrou-se ambíguo em relação a algumas propostas.

Segundo as estimativas feitas por pelo menos dois institutos, o projeto recebeu menos de 50% dos votos favoráveis, impedindo que seja adotado.