O presidente chileno  Sebastián Piñera   confirmou, neste domingo (27), o fim do estado de emergência em todo o país a partir da zero hora de segunda-feira (28). A medida estava em vigor desde a madrugada do último sábado (19), depois de confrontos violentos entre policiais e manifestantes, saques e incêndios a estações de metrô.

Leia também: Chile em chamas: país de bons índices econômicos perde a estabilidade política

Manifestantes tomaram as ruas da capital chilena em novo protesto
Reprodução
Manifestantes tomaram as ruas da capital chilena em novo protesto

Inicialmente motivados por um aumento da passagem do metrô de  Santiago , os protestos foram engrossados por demandas mais amplas, incluindo reformas nos sistemas de aposentadoria, educação e saúde. As manifestações não foram interrompidas durante o período em que o estado de emergência esteve em vigor, quando a segurança pública foi militarizada em Santiago e nas principais cidades e foi imposto toque de recolher.

Leia também: Brasil pode ser o próximo? Entenda o que de fato acontece no Chile

No período, 19 pessoas morreram — pelo menos cinco delas  atingidas a tiros pelas forças de segurança e pelo menos cinco em incêndios durante saques  — e milhares foram detidas. O Instituto Nacional de Direitos Humanos, uma entidade pública independente, denunciou dezenas de casos de violações de direitos humanos.

Em comunicado, Piñera afirmou que o fim do estado de emergência visa "contribuir para que o Chile retome a normalidade institucional”. O presidente havia sinalizado, no sábado, que poderia adotar a medida “caso as circunstâncias permitissem”, anunciando também o fim do toque de recolher. Universidades confirmaram o retorno às aulas já nesta segunda-feira, enquanto o metrô disse que a Linha 4, a última que ainda não havia retomado as operações, funcionará de maneira parcial também nesta nesta segunda.

Você viu?

Mesmo antes dos anúncios, manifestantes realizaram atos em várias cidades, como Valparaíso e Viña del Mar, com alguns incidentes violentos, incluindo choques entre policiais e manifestantes. Em Santiago, 15 mil pessoas se reuniram no Parque O’Higgins, na região central. Na sexta-feira, uma multidão calculada pela polícia em 1,2 milhão de pessoas havia se reunido no centro de Santiago para pedir o fim do estado de emergência e reformas sociais.

Reprovação recorde

Sebastián Piñera
Reprodução/Twitter
Sebastián Piñera

Além do toque de recolher e do fim do estado de emergência, há expectativa também por uma reforma ministerial, prometida pelo presidente no sábado. Segundo Piñera , todos os ministros foram alertados para que colocassem seus cargos à disposição, e analistas dizem que pelo menos nove deles devem deixar o governo, como os ministros do Interior, da Economia e dos Transportes. Ele não deu uma data para que as alterações ocorram.

Para Piñera, que chegou ao cargo em 2017 com uma plataforma de centro-direita, os protestos têm um potencial de abalar sensivelmente seu governo. Além das tarifas do metrô, cujo aumento foi cancelado, os manifestantes criticam o estado dos serviços públicos, o custo de vida elevado e regressividade dos impostos — o humor nas ruas é cada vez menos favorável ao presidente.

Leia também: Em Abu Dhabi, Bolsonaro analisa eleições na Bolívia e manifestações no Chile

Segundo pesquisa realizada pelo instituto Cadem , a aprovação de Piñera caiu para apenas 14%, a mais baixa de um chefe de Estado desde a volta da democracia, em 1990. Os que desaprovam sua gestão somam 78%, com os entrevistados criticando a maneira como o governo lidou com as manifestações. Além do presidente, os partidos políticos foram reprovados pelos eleitores: segundo a pesquisa, as principais siglas contam com aprovação média de 16% e desaprovação superando os 60%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários