Tamanho do texto

Segundo investigação, os passageiros clandestinos ficaram dentro do veículo por cerca de quatro dias e podem ter sido congelados pelo refrigerador

Caminhão arrow-options
Reprodução
Investigação suspeita que os 39 passageiros morreram congelados no refrigerador do veículo

Novas informações sobre o caso dos  39 corpos encontrados dentro de um caminhão na manhã desta quarta-feira (23) no Reino Unido começam a surgir conforme a investigação avança. Agora, a polícia suspeita que o grupo tenha morrido congelado dentro do compartimento refrigerado do veículo, onde ficaram por cerca de quatro dias.

Leia também: Agressões, tortura e violência psicológica dão o tom na Fundação Casa

Segundo informações do jornal Daily Mail, câmeras de segurança flagraram a passagem do caminhão pelo distrito industrial de Essex, no sudeste do Reino Unido, cerca de meia hora antes de uma ambulância descobrir os corpos de 38 adultos e um jovem.

Ainda de acordo com a publicação, o Scania, originário da Bulgária e pertencente a um norte-irlandês, que pilotava o veículo no momento da apreensão e foi encaminhado para a delegacia, pode ter entrado no Reino Unido pelo Porto de Holyhead, local em que as balsas vindas da Irlanda aportam, há cerca de quatro dias.

Pelo fato de ser refrigerado, e pelo tempo decorrido de viagem, os investigadores estão cogitando a possibilidade de o grupo ter sido congelado vivo enquanto tentava entrar ilegalmente na Inglaterra . A temperatura no local pode atingir até -25°, o que mataria uma pessoa em poucos minutos.

Agora, a polícia tentará descobrir a identidade de cada uma das vítimas. Entretanto, o processo deve ser dificultado pelo fato de que nenhuma delas carregava documentos. Já o motorista deve responder pelos crimes de múltiplos homicídios e tráfico de pessoas.

O caso do ' caminhão da morte' está sendo tratado como o maior em número de vítimas na história do Reino Unido e comparado com tragédia ocorrida em 2000, quando 58 chineses morreram enquanto tentavam entrar ilegalmente no país em uma balsa vinda da Bélgica.

Leia também: STF retoma julgamento sobre prisão em segunda instância; acompanhe