Tamanho do texto

Apontada ‘consorte real’ pelo monarca Maha Vajiralongkorn no fim de julho, Sineenat Wongvajirapakdi perdeu posição por ser ‘ingrata’ e ‘ambiciosa’

Rei da Tailândia%2C Maha Vajiralongkorn%2C com sua então amante Sineenat Bilaskalayani arrow-options
Divulgação/Palácio Real da Tailândia
Rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, com sua então amante Sineenat Bilaskalayani: ela perdeu o título nesta segunda por ‘deslealdade’

O rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, retirou o título, privilégios e posto militar de sua amante oficial , Sineenat Wongvajirapakdi, depois de ela se mostrar “desleal” e rivalizar com a rainha Suthida, informou o palácio real tailandês nesta segunda-feira (21).

Leia também: Sobe para 11 o número de mortos durante protestos no Chile

Apontada “consorte real” no fim de julho — a primeira unção deste tipo no país em quase um século —, numa cerimônia que chamou a atenção para vida extravagante e blindada do rei da Tailândia , Sineenat, de 34 anos, violou as normas de conduta de cortesãs por ser “ingrata” e “ambiciosa”, e por isso caiu em desgraça, diz o comunicado do palácio.

“A nobre consorte real Sineenat é ingrata e se comporta de maneiras não compatíveis com seu título. Ela também não está satisfeita com o título que lhe foi dado, fazendo de tudo para subir ao nível da rainha”, destacou a nota.

O rei Vajiralongkorn , de 67 anos, foi coroado soberano constitucional da Tailândia em maio último, adotando o nome real de Rama X. A coroação aconteceu cerca de três anos depois de ele sentar pela primeira vez no trono após a morte de seu pai, Bhumibol, que reinou por 70 anos, em 2016. Dias antes da cerimônia de sua coroação, Rama X se casou com sua guarda-costas pessoal, Suthida Tidjai, 41 anos, dando a ela o título de rainha Suthida Bajrasudhabimalalakshana.

Até Sineenat ser ungida em julho, o título de consorte real não era usado na Tailândia desde o fim da monarquia absolutista no país, em 1932. No mês seguinte à unção, o palácio real divulgou uma série de fotos da amante oficial do rei, assim como dados biográficos. Em algumas das imagens Sineenat aparecia de forma convencional, sentada aos pés do rei com tradicionais vestidos tailandeses, mas em outras era mostrada como uma mulher ousada, no comando de um jato de guerra ou pilotando um avião. Tanto as fotos quanto a página com sua biografia foram removidas do site do palácio nesta segunda-feira.

Leia também: Parlamento britânico não votará acordo do Brexit de Johnson nesta segunda

O comunicado desta segunda da remoção do título de consorte real de Sineenat traz um retrato vívido de seu comportamento, afirmando que ela se opôs à nomeação de Suthida como rainha porque esperava ser ela própria a monarca. O texto também a classifica como “ambiciosa”, buscando obter mais títulos, e de se autopromover nas atividades oficiais.

“Ela tem falta de entendimento das boas tradições da corte real. Ela demonstra desobediência ao rei e à rainha”, diz o comunicado.

Em seu reinado até agora, Rama X tem procurado consolidar a autoridade da monarquia, assumindo o controle direto da vasta fortuna real e transferindo duas unidades militares para seu controle pessoal. Ele também reintroduziu o chamado Ratchasawat, um código de conduta para aqueles que trabalham no serviço real à imagem do aplicado quando do período absolutista, já tendo punido funcionários do palácio que o violaram.

Pilar da arquitetura política tailandesa, a monarquia é protegida por uma lei de lesa-majestade que pune com multas elevadas e até 35 anos de prisão qualquer comentário negativo sobre qualquer membro da família real, incluindo animais de estimação.

Proclamado herdeiro do trono em 1971, quando tinha 20 anos, Rama X foi casado três vezes antes de se unir à rainha Suthida. O primeiro casamento, em 1987, foi com sua prima, princesa Soamsawali Kitiyakaram, a quem deixaria alguns anos depois em favor da aspirante a atriz Yuvadhida Polpraserth, com quem se casou em 1994 e teve cinco filhos, incluindo seu primogênito, Juthavachara Mahidol. Dois anos depois, a princesa fugiu para o Reino Unido com toda a prole, e todos tiveram seus títulos reais e passaportes removidos.

Leia também: Opositores criam ‘pixuleco’ de Cristina Kirchner na Argentina

O terceiro casamento aconteceu em 2001, com Srirasmi Suwadee, uma mulher que integrava seu serviço, embora o casamento não tenha sido divulgado até 2005, ano em que o príncipe Dipangkorn Rasmijoti nasceu. Em 2014, no entanto, Rama X se divorciou dela depois da prisão de diversos de seus parentes em investigação sobre pessoas alegando ter ligações com a família real para lucrar. Um tio, os pais e três irmãos de Srirasmi acabaram condenados por lesa-majestade e continuam na prisão. A terceira esposa de Rama X, no entanto, não foi alvo de nenhuma acusação formal, e hoje vive na periferia da capital Bangcoc, raramente sendo vista em público. A separação também não afetou a posição de filho, que permanece em primeiro lugar na linha de sucessão como suposto herdeiro da coroa da Tailândia .