Presidente peruano  Martín Vizcarra retoma a rotina e dá crise por encerrada
Reprodução/Facebook Martín Vizcarra
Presidente peruano Martín Vizcarra retoma a rotina e dá crise por encerrada

O presidente peruano, Martín Vizcarra , afirmou ter superado a crise política que o levou a dissolver o Congresso na última segunda-feira e retomou suas visitas de trabalho às províncias.

Leia também: Encrencas de Trump, Netanyahu e Macri afetam governo Bolsonaro

"Podemos desistir desse estágio de confronto", disse o presidente peruano na cidade de Pucallpa, no Leste do país, acrescentando que suas decisões foram tomadas respeitando
escrupulosamente a democracia e a Constituição". Esta foi a primeira saída de Vizcarra da capital após a crise política.

"Vinte e quatro horas após o juramento no gabinete (do primeiro-ministro Gustavo) Zeballos, estamos aqui trabalhando para realizar mais trabalhos em prol do desenvolvimento do país", disse o presidente antes de uma reunião de negócios. Desde que assumiu o cargo, em março de 2018, Vizcarra viaja duas vezes por semana para as províncias, marcando um estilo de gestão.

Continuando com suas atividades oficiais, o presidente peruano receberá seu colega chileno, Sebastián Piñera, na próxima sexta, na cidade de Paracas, a cerca de 400 quilômetros de Lima.

Você viu?

Leia também: Entenda como as mensagens entre diplomatas podem derrubar Trump

A dissolução do Congresso , dominada por uma oposição conservadora de direita, foi desencadeada quando o gabinete liderado por Salvador del Solar renunciou na segunda-feira
depois que o Congresso negou-lhe um voto de confiança. Essa situação levou o presidente a dissolver o parlamento, de acordo com a Constituição.

Vizcarra teria tomado essa decisão para pôr fim aos confrontos recorrentes de poderes derivados das obstruções parlamentares da maioria Fujimori, também criticada por proteger
funcionários e magistrados investigados por corrupção.

O partido Fujimorista Fuerza Popular se recusa a aceitar a decisão de Vizcarra, que é descrita como um "golpe de estado". Na sede do parlamento, apenas a Comissão Permanente, que é composta por 27 dos 130 parlamentares, trabalha.

Leia também: Devotos enfiam facas, revólveres e raquetes no rosto em festival; veja vídeo

"É lamentável que os congressistas continuem a fazer esse triste espetáculo. Eles vivem uma fase de negação, desde que o Congresso foi dissolvido. A Comissão Permanente está em
sessão e aqueles que não são titulares devem entender que já perderam sua pequena parcela de poder", disse o ex-congressista Daniel Salaverry, dissidente de Fujimori, após atitude do presidente peruano .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários