Bandeira do México hasteada
Pixabay
Após cinco anos, caso dos 43 estudantes desaparecidos em Ayotzinapa segue sem solução

O governo mexicano começará do zero a investigação sobre o desaparecimento e aparente massacre de 43 estudantes que sumiram  após deixarem a Escola Normal Rural Raúl Isidro Burgos, em Ayotzinapa , em setembro de 2014. A investigação do caso é cercada de polêmicas e desencadeou uma crise política no governo do então presidente Enrique Peña Nieto (2012-2018).

Ao anunciar a reabertura do caso Ayotzinapa , o novo procurador especial Omar Gómez disse que as autoridades investigarão "uma longa lista de políticos que têm diferentes graus de responsabilidade" no ocorrido.

Leia também: Idosa de 81 anos entra em luta corporal com mulher que tenta roubá-la; assista

Segundo a versão oficial, os normalistas teriam sido sequestrados, assassinados e cremados por um poderoso cartel mexicano trabalhando em conjunto com policiais corruptos. Até o momento, apenas os restos mortais de um dos desaparecidos foram definitivamente identificados e nenhum dos suspeitos foi condenado.

"Vamos começar de novo. Uma investigação independente, objetiva, clara, que rompa com essa narrativa que vem sendo criada nos últimos anos",  disse Gómez. "Começaremos de uma base sólida, onde tiraremos todas essas irregularidades e crimes que foram cometidos, inclusive contra pessoas que foram acusadas." 

O pai de um dos estudantes, Felipe de la Cruz, viu com bons olhos a nova investigação:

"Infelizmente, foram cinco anos sendo alimentados com mentiras. Nós praticamente precisamos recomeçar do zero porque, da primeira vez, tudo foi mal feito."

A reabertura do caso acontece cerca de 15 dias após a Justiça mexicana absolver um dos principais suspeitos de participar do sequestro e desaparecimento dos jovens, Gildardo López Astudillo, descartando dois terços das provas apresentadas pelo Ministério Público por considerar que foram coletadas ilegalmente. Com sua libertação, os suspeitos que recuperaram a liberdade chegam a 77, dos 142 detidos. 

Leia também: Neta adotiva de Flordelis foi registrada de forma irregular e nunca teria sido adotada

Os pais das vítimas, seus representantes legais e  López Obrador concordaram, em reunião privada, novos mecanismos para impedir que mais envolvidos no caso deixem a prisão, como aconteceu nos últimos dias.

A investigação, iniciada sob o então governo de Enrique Peña Nieto, foi acusada de grave negligência, incluindo a obtenção de testemunhos por meio de tortura e alteração de cenas de crime, segundo investigações da Ouvidoria do país e do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos. Há apenas alguns meses, foi divulgado um vídeo em que um dos detidos, Carlos Canto, é torturado por policiais durante um interrogatório.

Após a libertação de López Astudillo, o governo federal anunciou que investigará os juízes e promotores ligados aos desaparecimentos.

De acordo com a hipótese defendida até agora, os estudantes de Ayotzinapa foram detidos na cidade de Iguala na noite de 26 de setembro de 2014 por policiais da cidade, envolvidos com o cartel United Warriors. Acreditando que os jovens eram membros de um grupo rival, a polícia os entregou aos traficantes, que os teriam matado e depois incinerados os corpos e jogado as cinzas em um rio. No entanto, uma investigação independente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos questionou severamente essa hipótese.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários