Bolsonaro
Alan Santos/PR - 7.9.19
Bolsonaro durante festa desfile do 7 de setembro

A agenda encurtada do presidente Jair Bolsonaro durante a 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, na próxima semana, levou à suspensão do que seria o primeiro encontro bilateral com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. O britânico, líder do Partido Conservador,  se tornou um importante aliado do Brasil na questão das queimadas da Floresta Amazônica.

Também  saíram da programação de Bolsonaro reuniões com Estados Unidos, Polônia e Colômbia, além de Peru, Ucrânia e África do Sul, conforme antecipado pelo GLOBO. Com isso, segundo integrantes do governo brasileiro, não há expectativa de encontros bilaterais durante a viagem. 

A previsão inicial era de que Bolsonaro e Trump conversassem antes de seus discursos na Assembleia. O Brasil faz o discurso de abertura e, em seguida, é a vez dos Estados Unidos, o anfitrião do evento.  Esta possibilidade ainda não está descartada.

As reuniões com os setes chefes de Estados ainda estavam sendo alinhavadas, mas o governo brasileiro declinou após recomendação médica para que Bolsonaro diminuísse as atividades durante a Assembleia da ONU . O presidente se recupera de uma cirurgia para correção de uma hérnia , realizada no dia 8 de setembro. Após nove dias internado no hospital Vila Nova Star, em São Paulo, Bolsonaro retornou nesta segunda para Brasília.

A conversa com o premier birtânico teria como pontos principais a Amazônia e a possibilidade de um acordo de livre comércio. Durante o encontro da cúpula do G7, no mês passado, Johnson se insurgiu contra o presidente da França, Emmanuel Macron , e o acusou de usar a floresta para interferir no acordo entre União Europeia com Mercosul.Os britânicos ainda doaram ao Brasil R$ 50 milhões para ajudar no combate aos incêndios. 

A Amazônia também deveria ser também o tema de debate com o presidente da Colômbia, Iván Duque, outro líder de direita na América do Sul. Os dois vêm conversando sobre um plano conjunto dos países da região amazônica e também sobre a crise na Venezuela.

O encontro com o presidente da Polônia, Andrzej Duda, marcaria a aproximação de Bolsonaro com outro líder conservador e alinhado a Trump. Os poloneses integram o Grupo Visegrado, ao lado de Hungria, República Tcheca e Eslováquia, onde a direita nacionalista está no poder. Segundo uma fonte do governo brasileiro, esse grupo apoia a criação de uma nova política internacional para o meio ambiente,  como alternativa ao Acordo de Paris.

Ucrânia, África do Sul e Peru

O Brasil tem interesses estratégicos na relação com Ucrânia, África do Sul e Peru. No caso da Ucrânia, havia uma forte aproximação política com o ex-presidente conservador Petro Poroshenko . Ele e Bolsonaro se reuniram em um encontro paralelo ao Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, no início deste ano. Mas Poroshenko perdeu as eleições de abril para o ex-comediante Volodymyr Zelenskiy , que tomou posse em maio.

A África do Sul é membro do Brics — bloco que também é integrado por Brasil, Rússia, Índia e China. O encontro com o líder sul-africano Cyril Ramaphosa seria uma preparatória para a reunião de cúpula do grupo, que acontecerá em Brasília, em novembro.

Da direita tradicional peruana, o presidente Martín Vizcarra tem demonstrado afinidade com Bolsonaro nos principais temas ligados à região, sendo um deles a situação na Venezuela. Assim como o presidente brasileiro, Vizcarra considera o governo do chavista Nicolás Maduro ilegítimo e reconhece como presidente daquele país o líder opositor Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional. No campo econômico, Brasil e Peru pretendem ampliar um acordo firmado há cerca de três anos.

Leia também: Irã descarta negociações após Trump sugerir envolvimento em ataques na Arábia

O embarque da comitiva brasileira, que incluirá o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP),  ocorrerá no dia 23  — o planejamento inicial era que Bolsonaro viajasse para os Estados Unidos no dia 22.  A volta ao Brasil está prevista para o dia 25. Antes, porém, Bolsonaro passará por Dallas, no Texas, onde no aeroporto deverá ter um rápido encontro com empresários ligados ao setor militar dos Estados Unidos. 

    Veja Também

      Mostrar mais