Tamanho do texto

Mais de 6 mil manifestantes se reuniram em diferentes pontos da fronteira, na continuação da chamada Grande Marcha do Retorno

Adolescentes palestinos foram mortos pelo exército de Israel perto da Faixa de Gaza arrow-options
Reprodução/Twitter
Adolescentes palestinos foram mortos pelo exército de Israel perto da Faixa de Gaza

Dois adolescentes palestinos foram mortos nesta sexta-feira (6) por tiros de soldados israelenses durante manifestações na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel, anunciou o
Ministério da Saúde do território controlado pelo grupo islâmico Hamas.

Leia também: Ossos humanos são encontrados em casa de ex-ditador paraguaio

Khaled al-Rabai, de 14 anos, foi atingido no estômago a leste da cidade de Gaza, segundo um porta-voz do ministério. Ali al-Ashqar, 17 anos, foi morto por uma bala no pescoço a
leste de Jabaliya, na parte norte da Faixa de Gaza, disse a mesma fonte. Entre os manifestantes palestinos , 70 foram feridos, 38 destes a tiros, disseram autoridades médicas.

Um porta-voz do Exército israelense disse que "6.200 manifestantes se reuniram em diferentes pontos da fronteira, lançando bombas incendiárias e artefatos explosivos".

Segundo esse porta-voz, alguns dos manifestantes conseguiram atravessar a cerca que separa o território de Israel antes de retornar a Gaza . As forças israelenses responderam com
medidas de dispersão de tumultos, disse ele. O porta-voz não comentou as mortes.

Leia também: ONU denuncia ‘impunidade’ ante ‘violações’ dos direitos humanos na Nicarágua

Desde março de 2018, a barreira entre a Faixa de Gaza e Israel tem sido palco de manifestações semanais apelidadas de " Grande Marcha do Retorno ", acompanhadas de confrontos, para exigir o levantamento do bloqueio imposto por Israel ao território. Os manifestantes reivindicam a volta ao território israelense das famílias palestinas que fugiram ou foram expulsas na guerra que se seguiu à criação do Estado de Israel , em 1948.

Israel rejeita o chamado direito de retorno, dizendo que eliminaria sua maioria judaica. Autoridades do Egito , Catar e a ONU têm trabalhado para manter a fronteira calma nos
últimos meses.

Leia também: De herói a ditador: morre Robert Mugabe, que comandou o Zimbábue de 1980 a 2017

Nos últimos 17 meses, pelo menos 308 palestinos foram mortos por tiros israelenses, geralmente durante essas manifestações. Outros morreram por bombardeios israelenses em
retaliação a atos hostis vindos de moradores do território. Sete israelenses morreram nesses confrontos. Israel e Hamas travaram três guerras desde 2008.