Tamanho do texto

Dorian matou 30 e deixou milhares de desaparecidos, além de um rastro de destruição, no país; furacão passa pelos EUA, mas foi rebaixado ao nível 1

furacão Dorian visto de satélite arrow-options
Reprodução
O furacão Dorian estava na categoria 5 quando atingiu as Bahamas

O ministro da Saúde das Bahamas, Duane Sands, afirmou nesta sexta-feira (6) que o balanço de vítimas do furacão Dorian no país será "desconcertante".

Leia também: Após passagem de furacão, tabletes de cocaína são encontrados em praia dos EUA

O fenômeno devastou a nação caribenha, especialmente as ilhas Ábaco e Grande Bahama, e já deixou pelo menos 30 mortos, mas milhares de pessoas estão desaparecidas.

Um site chamado "Dorian People Search" elenca uma lista com mais de 5,5 mil indivíduos dos quais não se tem notícias há dias, mas muitos casos podem ser explicados pela falta de comunicação.

O governo, no entanto, já enviou 200 sacos para cadáveres nas ilhas Ábaco, as mais atingidas pelo furacão. A Cruz Vermelha teme que 45% das casas nesse arquipélago e em Grande Bahama tenham sido destruídas ou danificadas pelo Dorian.

Leia também: Família brasileira conta como é passar por furacões nos EUA

O furacão passa agora pela costa da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, e foi rebaixado para a categoria um, com ventos de até 144 quilômetros por hora. O fenômeno, no entanto, atingiu as Bahamas em nível cinco, com ventos superiores a 280 quilômetros por hora.

O furacão Dorian foi o mais forte já registrado na história moderna do país caribenho.