Tamanho do texto

Decisão foi nova derrota do premier Boris Johnson no dia; parlamentares também aprovaram projeto da oposição para impedir o Brexit sem acordo

Parlamento britânico arrow-options
Public Domain Pictures
Boris Johnson tem tentado pressionar Parlamento para um Brexit sem acordo

Em mais um capítulo da longa novela da saída do Reino Unido da União Europeia, previsto para o dia 31 do mês que vem, o Parlamento rejeitou uma proposta do premier Boris Johnson para convocar eleições antecipadas no dia 15 de outubro . A medida foi uma resposta do governo à aprovação, mais cedo, de uma lei para impedir um Brexit sem acordo.

Leia também: Parlamento britânico aprova medida para impedir Brexit sem acordo

A proposta teve o apoio de 298 parlamentares, enquanto 56 votaram contra. Apesar de numericamente o governo ter vencido, ele precisava dedois terços do Parlamento , ou 434 votos, para dar início ao processo eleitoral.

Mesmo antes de saber o resultado da votação sobre o Brexit , horas antes, Johnson já sinalizava com a ideia de eleições antecipadas, três anos antes do previsto . Ele não aceita qualquer tipo de adiamento no prazo de saída, mesmo que isso signifique ficar sem um acordo, algo que, para analistas políticos, economistas e parlamentares, pode ter efeitos catastróficos.

Logo após a derrota, ele disse que o trabalhista Jeremy Corbyn foi o "primeiro líder de oposição a rejeitar a convocação de novas eleições". O premier ainda pediu que os colegas parlamentares reflitam sobre a "natureza insustentável" da posição deles.

No debate que antecedeu o voto, Boris Johnson lamentou a aprovação da lei sobre o Brexit, que deve começar a ser analisada pela Câmara dos Lordes nesta quinta-feira. Caso receba modificações, será votada mais uma vez no Parlamento para, enfim, ser enviada à rainha Elizabeth II para ser sancionada.

Leia também: Boris Johnson vai expulsar 21 deputados 'rebeldes' de seu partido

O projeto prevê que, se não houver um plano de transição para o Brexit até o dia 19 de outubro — dia seguinte à reunião do Conselho Europeu — o premier será obrigado a pedir uma extensão de três meses a Bruxelas. Neste caso, a única possibilidade de um Brexit sem acordo acontecer será se o próprio Parlamento aprovar a opção, o que, no momento, parece ser difícil.

Após a derrota, Boris Johnson disse que a situação criada pelos parlamentares tornou a convocação de eleições " a única opção ". "Esta casa não deixou outra opção senão permitir que o público decida quem será o primeiro-ministro", afirmou Johnson, dizendo que colocar o líder da oposição no poder, o trabalhista Jeremy Corbyn, significará ao país "anos de arrepios e atraso".

Por sua vez, Corbyn disse que só iria apoiar novas eleições para o Parlamento depois que a lei sobre o Brexit sem acordo for aprovada em definitivo. "Essa moção é sobre jogar um jogo dissimulado. Eu aguardo o dia em que o governo dele (Johnson) e seu partido forem retirados do poder".

Leia também: Governo de Johnson perde maioria no Parlamento britânico

A líder do Partido Liberal Democrata, Jo Swinson, afirmou que Johnson queria ser primeiro-ministro há tanto tempo "que era quase doloroso assistir", e que ele faria "absolutamente qualquer coisa" para chegar ao cargo. Já Nigel Evans, do Partido Conservador, disse que a oposição " está com medo de uma eleição geral".