Tamanho do texto

Acompanhado de outras lideranças guerrilheiras, Iván Márquez aparece em vídeo afirmando que a volta às armas é 'resposta à traição do Estado'

farc arrow-options
Reprodução
Ex-número dois das Farc apareceu em vídeo nesta quinta

O número dois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Iván Márquez, cujo paradeiro era desconhecido há mais de um ano, reapareceu nesta quinta-feira (29) em um vídeo ao lado de outras antigas lideranças do movimento guerrilheiro para anunciar uma "nova etapa da luta armada".

Leia também: Partidos fecham acordo por novo governo e Salvini é derrotado na Itália

"Anunciamos ao mundo que começou a segunda Marquetalia (lugar onde as Farc nasceram da década de 1960) sob o amparo do direito universal que dá a todos os povos do mundo o direito de se armarem contra a opressão", disse Márquez, em um vídeo de 32 minutos postado no Youtube. "Nunca fomos vencidos ou derrotados ideologicamente. Por isso, a luta continua. A história registrará em suas páginas que fomos obrigados a retomar as armas".

O dissidente, ex-chefe da da equipe de negociação das Farc que chegou a um acordo de paz com o governo colombiano, assegura que a decisão de voltar às armas é "a continuação da luta guerrilheira em resposta à traição do Estado ao acordo de paz de Havana" e diz que buscarão alianças com as guerrilhas do Exército de Liberação Nacional (ELN):

"Buscaremos coordenar esforços com a guerrilha do ELN e com aqueles companheiros e companheiras que não dobraram suas bandeiras que tremulam uma pátria para todos", disse o número dois das Farc, com um traje verde militar e uma arma na cintura.

Em uma serie de tuítes, Rodrigo Londoño, ex-líder da guerrilha, reforçou o compromisso com a paz. “Apesar dos obstáculos e dificuldades, estamos convencidos de que o caminho da paz é o caminho certo. Algo que Manuel Marulanda (fundador das Farc) nos ensinou foi manter sua palavra. Nossa palavra hoje é paz e reconciliação. A grande maioria de nós permanece comprometida com o que foi acordado, mesmo com todas as dificuldades ou perigos que se avizinham, estamos com a paz.”

Na gravação, o guerrilheiro afirma que falam de algum ponto nas proximidades do rio Inírida, situado na região amazônica ao sudoeste do país, próxima às fronteiras entre a Venezuela e o Brasil. Eleito senador pelo partido do movimento guerrilheiro, Márquez nunca chegou a tomar posse. Em abril de 2018, ele foi para uma área onde ex-guerrilheiros se reúnem no sul do país e deixou de cumprir com suas obrigações perante à Justiça de Paz na Colômbia.

Leia também: Manifestantes ocupam ruas do Reino Unido em protesto à suspensão do Parlamento

Ao seu lado no vídeo, estão os ex-líderes das Farc Hernán Darío Velásquez, conhecido como El Paisa e Jesús Santrich, que também fez parte das negociações de paz conduzidas em Havana. Após deixar a prisão no final de maio, onde cumpria pena por tráfico de drogas, Santrich tomou posse na Câmara dos Deputados. Menos de dois meses depois, entretanto, abandonou seu esquema de segurança durante visita a uma zona de reinserção de ex-guerrilheiros no norte do país e desapareceu.