Tamanho do texto

Ocean Viking aguarda autorização de desembarque na Europa; o barco pertence à ONG francesa SOS Mediterranée e aos Médicos Sem Fronteiras

Imigrantes em navio Open Viking arrow-options
Reprodução/Médicos Sem Fronteiras
Imigrantes foram resgatados no mar Mediterrâneo há 13 dias

Uma embarcação está há 13 dias no Mar Mediterrâneo aguardando a autorização de algum país europeu para desembarcar 356 imigrantes. A Ocean Viking pertence à ONG francesa SOS Mediterranée e aos Médicos Sem Fronteiras. Entre as pessoas que estão a bordo do navio, 103 são crianças ou menores de idade. 

Leia também: Governo Trump avalia acabar com cidadania por nascimento no país

Os imigrantes foram resgatados no mar Mediterrâneo quando tentavam chegar à Europa. De acordo com os Médicos Sem Fronteiras, só há comida para todos a bordo por mais cinco dias.

O impasse envolvendo a Ocean Viking acontece pouco após uma situação semelhante com o navio Open Arms, da ONG de mesmo nome. Neste momento o navio está entre a costa de Malta e a área da Sicília, na Itália.

A Comissão Europeia fez um apelo para que os Estados-membros do bloco sejam solidários e recebam os imigrantes de maneira compartilhada, como ocorreu com a Open Arms, que ficou quase 20 dias à deriva.

Leia também: Piloto filma avião afundando e próprio resgate nos EUA; assista

Navio Ocean Viking no Mediterrâneo arrow-options
Reprodução/SOS Mediterranée
O Navio Ocean Viking transporta 356 imigrantes

Na quarta-feira (21), a França se disse "pronta" a acolher "um número importante de imigrantes da Ocean Viking , mas ressaltou que não "se pode colocar em discussão o princípio de acolhimento no porto mais próximo, porque se trata de um princípio jurídico". "A única rota da Ocean Viking é a da humanidade. Estamos há 13 dias com 356 sobreviventes que já sofreram bastante. Pedimos autorização para desembarcar imediatamente em um porto seguro", apelou a ONG Médicos Sem Fronteiras via Twitter.

Os governos de Malta e da Itália têm negado os pedidos de desembarque do navio. Trata-se de um reflexo das políticas migratórias restritivas adotadas pelos dois países. Na Itália, o ministro do Interior, Matteo Salvini , critica a atividade das ONGs, alegando que elas favorecem a imigração ilegal, a atuação de coiotes e o tráfico humano.

Leia também: Brinquedo em forma de suástica é fechado em parque da Alemanha; assista

Além disso, o expoente do partido nacionalista Liga Norte diz que a "Itália não pode ser mais o campo de refugiados da Europa".  O país, devido à sua localização, é um dos que mais recebia barcos com dezenas de imigrantes diariamente no porto de Lampedusa.