Tamanho do texto

Os líderes da França e da Rússia discutiram questões internacionais em busca de compromisso; Rússia não participa das reuniões do G7 desde 2014

Macron e Putin em encontro antes do G7 arrow-options
Reprodução/Twitter Emmanuel Macron
Macron disse que a relação entre Rússia e França é determinante para o cenário internacional

O presidente da França, Emmanuel Macron, recebeu nesta segunda-feira (19) seu homólogo russo, Vladimir Putin, com quem discutiu as crises na Síria e na Ucrânia, a segurança na Europa, além da relação bilateral. O diálogo em busca de um compromisso sobre as principais questões internacionais ocorre apenas cinco dias antes do início da cúpula do G7 , a qual a Rússia não participa mais desde 2014, quando ocorreu a anexação da Crimeia.

Leia também: Ernesto Araújo diz que Fernández é 'boneca russa' com Lula e Chávez dentro

Em relação à crise na Síria, os dois mantiveram suas divergências. O presidente russo afirmou que seu país apoia os esforços das tropas do governo sírio para neutralizar os terroristas de Idlib.

Macron deixou claro sua preocupação com a situação na região. "Estamos profundamente preocupados com a situação em Idlib, onde a população civil vive sob bombardeios. Há vítimas entre a população civil e a França está muito preocupada com isso", disse o francês. Macron ainda ressaltou a necessidade de "respeitar os acordos alcançados em Sochi".

Leia também: Boris Johnson pode deixar britânicos sem comida e remédios

Além disso, Putin foi questionado sobre a repressão dos protestos em favor da democracia no território russo e fez comparações com os atos realizados pelos "coletes amarelos" na França. "Não queremos uma situação similar", disse, garantindo que as autoridades russas vão garantir que as manifestações continuem no "âmbito da lei".

Outro assunto tratado pelos líderes foi o conflito ucraniano. Sobre isso, Putin afirmou que seus contatos telefônicos com o novo presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, são uma fonte de "otimismo cauteloso", enquanto que Macron expressou sua esperança de que a cúpula poderá ajudar na busca por uma solução compartilhada. 

Leia também: Trump anuncia que manterá seu vice para eleição presidencial de 2020

Por fim o chefe de Estado francês anunciou que visitará Moscou em maio de 2020. Na data, ele participará das celebrações pelo 75º aniversário da vitória sobre a Alemanha nazista.

O encontro que precedeu o G7 aconteceu na residência de veraneio de Macron em Brégançon, no sul da França, onde anunciou uma cúpula entre França, Rússia, Alemanha e Ucrânia. Segundo o líder francês, a reunião a quatro partes ocorrerá "nas próximas semanas".