IstoÉ

Boris Johnson
Divulgação
Boris Johnson defende o Brexit sem acordo

Um relatório oficial vazado no fim de semana confirma os efeitos nocivos de um Brexit não negociado para os britânicos. Alimentos, medicamentos e combustíveis podem faltar a partir de 31 de outubro, se o “no-deal” do premiê Boris Johnson prevalecer.

Leia também: Trump anuncia que manterá seu vice para eleição presidencial de 2020

Entre os problemas da saída do bloco europeu estariam distúrbios no tráfego e colapso nos portos por três meses.

O primeiro-ministro se encontra nesta semana com os líderes Emmanuel Macron (França) e Angela Merkel (Alemanha) para intensificar a disposição de saída. Tenta forçar um novo acordo com os europeus, mas são remotas as chances de que tenha sucesso. Enquanto isso, sua posição fica mais frágil no Parlamento.

Leia também: Em auge da crise, ministro da Fazenda da Argentina renuncia

Aliados conservadores podem se aliar à oposição trabalhista para barrar o Brexit , previsto para daqui a 40 dias. Isso poderia custar a cadeira ao ex-prefeito de Londres. Seria um fim prematuro e melancólico para o líder populista.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários