Tamanho do texto

Passagem do supertufão ainda deixou ao menos 18 pessoas desaparecidas. Maioria das mortes ocorreu no distrito de Yongjia, onde um dique se rompeu

Tufão Lekima arrow-options
Reprodução/EuroNews
Tufão Lekima atingiu a parte leste da China e já vitimou ao menos 30 pessoas e 18 seguem desaparecidas

Pelo menos 30 pessoas morreram e 18 permanecem desaparecidas após a passagem do supertufão Lekima pela província oriental chinesa de Zhejiang no último sábado (10), informaram as autoridades locais neste domingo (11).  As informações são da agência pública de notícias da China Xinhua.

Polícia Marítima resgatou 70 refugiados no Mar Egeu em dois dias

A maioria das mortes ocorreu no distrito de Yongjia, administrado pela cidade de Wenzhou, onde as chuvas torrenciais causaram um deslizamento de terra que bloqueou os rios da região, elevando o nível da água em até 10 metros em 10 minutos e deixando 120 moradores ilhados. Um dos diques do lago se rompeu e as águas arrastaram as pessoas nos arredores.

Cerca de 1,08 milhão de pessoas foram evacuadas para locais seguros e quase cinco milhões de residentes em Zhejiang foram afetados pelo tufão, segundo o departamento provincial de controle de inundações.

Polícia dispara gás lacrimogêneo contra manifestantes em Hong Kong

No sábado, Mais de 300 policiais, agentes de segurança pública e equipes de socorro foram enviados ao local para ajudar no trabalho de  resgate .

O Lekima é o nono e o mais forte tufão deste ano, e tocou a terra à 1h45 da madrugada de sábado na cidade de Wenling, em Zhejiang, onde provocou ventos de 187 quilômetros por hora e fortes tempestades.

Em Zhejiang, o tufão danificou mais de 173 mil hectares de plantações e 34 mil moradias . As perdas econômicas diretas totalizaram 14,57 bilhões de yuans (cerca de US$ 2,1 bilhões).