Tamanho do texto

Massacre em El Paso, no Texas deixou 20 mortos, sendo 7 mexicanos; país latino ameaçou adotar ações legais contra os Estados Unidos

Carro de polícia em frente ao local do tiroteio em El Paso arrow-options
Reprodução/Twitter
Tiroteio em shopping na cidade de El Paso deixou 18 pessoas feridas

O México ameaçou nesta segunda-feira (5) adotar ações legais contra os Estados Unidos devido ao massacre de El Paso. O  tiroteio ocorrido no último sábado (3), no Texas, deixou sete mexicanos mortos e nove feridos, em um crime que as autoridades investigam motivações supremacistas e racistas.

Leia também: Em menos de 24 horas, 29 pessoas morreram em dois ataques a tiros nos EUA

O chanceler mexicano, Marcelo Ebrard, definiu o tiroteio como "um ataque terrorista contra mexicanos inocentes". "O presidente [Andrés Manuel López Obrador] pediu que eu assegurasse que a indignação do México se traduzirá em eficazes, rápidas e enérgicas ações miradas a restabelecer uma adequada proteção dos cidadãos mexicanos nos Estados Unidos", disse o ministro.

Segundo Ebrard, o México pode apresentar uma denúncia de terrorismo pelo episódio nos Estados Unidos, solicitando também a extradição do autor do massacre , Patrick Crusius, de 21 anos. "Trata-se de uma iniciativa sem precedentes", comentou o ministro, em entrevista à TV Milenio. "Será uma avaliação que ficará a cargo da Procuradoria Geral da República solicitar - se houver os elementos necessários - a extradição do autor ou dos autores deste fato".

"Consideramos o que aconteceu um ato de terrorismo contra a comunidade mexicana-americana e contra os cidadãos do México nos Estados Unidos. O México está indignado, mas não iremos contrapor o ódio com o ódio. Agiremos utilizando o raciocínio, respeitando as leis", completou. Na tarde de sábado, Patrick Crusius abriu fogo contra dezenas de pessoas em um centro comercial de El Paso , no Texas.

Leia também: Trump relaciona ideologia da supremacia branca a massacres pela 1ª vez

Com 20 mortos e 26 feridos, trata-se de um dos episódios mais sangrentos da história dos Estados Unidos. O caso reabriu a discussão sobre a posse de arma e sobre o racismo contra imigrantes, sobretudo os mexicanos, ventilado por políticas imigratórias e declarações do presidente norte-americano, Donald Trump. A polícia e o FBI investigam se um manifesto anônimo de ódio contra imigrantes, compartilhado em um fórum na internet, teria sido escrito pelo autor do massacre, que está preso. Além do ataque no Texas, um outro tiroteio ocorreu nos Estados Unidos no fim de semana, em Ohio, com nove mortos.