Tamanho do texto

Este é o nono fim de semana seguido que Hong Kong assiste a protestos por medidas democráticas. Funcionários públicos e famílias aderiram

protestos em hong kong arrow-options
Reprodução/ irish time
Os protestos em Hong Kong ganharam o apoio de funcionários públicos e famílias

Manifestantes pró-democracia voltaram às ruas de Hong Kong, ex-colônia britânica, neste sábado (3), em protesto contra a China.

Leia também: Manifestantes réus por 'motins' comparecem a justiça em Hong Kong

O ato em Hong Kong tinha começado de maneira pacífica, mas os manifestantes seguiram por um trajeto que não tinha sido autorizado pela polícia, na Nathan Road, elevando a tensão. A multidão não encerrou a manifestação no ponto em que estava previsto. Além disso, um manifestante rasgou a bandeira da China e a jogou no porto de Victoria Harbour.

Desta vez, ignorando as advertências da China, funcionários públicos e famílias também aderiram às manifestações em Hong Kong. Uma multidão se reuniu em Mong Kok, um bairro densamente povoado e conhecido como zona comercial de Hong Kong.

Nas últimas semanas, houve protestos e violência nas manifestações em Hong Kong, com 44 pessoas feridas e cenas de agressão em uma estação de metrô. A China pediu punição aos responsáveis pelos atos.

Leia também: Sudão prende nove paramilitares por morte de crianças durante protesto

Os protestos começaram em junho devido a uma lei que poderia extraditar à China continental condenados por crimes em Hong Kong . O governo já recuou e desistiu temporariamente da lei, mas os atos tomaram proporções maiores e incluíram outras pautas, como medidas democráticas.