Tamanho do texto

Detenções acontecem após novo ataque a tiros que deixou mais mortos em manifestações que tomam as ruas de El-Obeid, capital do estado de Norte

sudão arrow-options
Reprodução/Twitter
Sudão prende nove paramilitares por mortes de crianças em protesto

A junta militar que governa o Sudão anunciou nesta sexta-feira (2) a prisão de nove paramilitares das temidas Forças de Apoio Rápido (FAR) pela morte a tiros de quatro jovens manifestantes e um adulto no início da semana na cidade de El-Obeid, capital do estado de Norte Kordofan, cerca de 400 km a sudoeste da capital nacional, Cartum.

O anúncio das prisões vem após mais quatro manifestantes serem morto sem novo ataque a tiros contra um protesto na cidade de Omdurmã nesta quinta (1º) e em meio à retomada das negociações entre militares e oposição civil, suspensas após o episódio de El-Obeid, no Sudão .

"Foi aberta uma investigação sobre os acontecimentos em El-Obeid , e sete integrantes das FAR foram imediatamente demitidos e levados ante a Justiça civil para serem julgados", declarou nesta sexta em entrevista coletiva o general Shamseddine Kabbashi, porta-voz da junta militar. "Ontem, outros dois integrantes das FAR foram presos, o que faz de nove o total", ponderou.

Leia também: Trump defende Kim e diz que Coreia do Norte não quebrou acordo

Em paralelo às prisões, as negociações entre representantes da oposição civil e dos militares foram retomadas na noite desta quinta, com os mediadores ainda reunidos até a noite desta sexta. Um de eles, no entanto, adiantou que haverá “boas notícias” das discussões.

O Sudão está mergulhado há meses em uma crise política deflagrada pela falta de pão e combustíveis. Os protestos levaram à derrubada pelos militares , em 11 de abril, do presidente Omar al-Bashir , que estava à frente do país há 30 anos. Desde então, a oposição civil e a junta militar que passou a governar o Sudão negociam a transferência de poder.

Leia também: Indonésia tem alerta de tsunami após terremoto de 6,9 graus

Mas apesar da assinatura de um acordo em 17 de julho — que prevê um período de três anos de transição, com a formação de um conselho soberano conjunto de governo do Sudão , formado por cinco militares e seis civis e com liderança rotativa —, as conversas em torno dos detalhes de uma declaração constitucional relativa ao acerto empacaram.