Tamanho do texto

Reunião realizada no fim de semana em Caracas não teve a participação de Gleisi Hoffmann, presidente do PT, nem de Evo Morales, da Bolívia

Reunião do Foro de São Paulo foi realizada em Caracas arrow-options
Foro de São Paulo / Facebook / Reprodução
Reunião do Foro de São Paulo foi realizada em Caracas e não contou com presença de presidente do PT ou presidente da Bolívia

A reunião do Foro de São Paulo que foi realizada no final de semana em Caracas , terminou com uma declaração de apoio ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Responsabilizado por críticos pela maior crise econômica e política da História venezuelana, que já levou mais de 4 milhões de pessoas a deixarem o país, Maduro sofre forte pressão internacional para abandonar o poder.

O comunicado divulgado ao final do evento faz apelos para que as sanções aplicadas à Venezuela pelos Estados Unidos sejam suspensas. Os americanos lideram um grupo de mais de 50 países que reconhecem o deputado Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

"A Venezuela é uma das democracias mais atacadas pelo governo dos EUA e seus aliados", diz o documento. "As medidas coercivas unilaterais impostas pelos Estados Unidos contra Cuba e Venezuela são genocídio e violação maciça de direitos humanos."

Quando foi fundado, em 1990, convocado pelo PT , o Foro de São Paulo buscava rearticular a esquerda latino-americana em meio ao fim daGuerra Fria e a governos que lançavam pacotes de austeridade fiscal para colocar suas economias em ordem.

Leia também: Gleisi defende Foro de São Paulo em artigo: "Levanta bandeiras mais avançadas" 

A edição deste ano, entretanto, foi vista pela oposição venezuelana como uma tentativa de desviar a atenção para a grave crise que o país enfrenta.

Figuras proeminentes da esquerda que geralmente participam da reunião, como o presidente boliviano Evo Morález e a líder do PT, Gleisi Hoffmann , que compareceu ao último encontro, não estiveram presentes na Venezuela. O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega , cuja repressão violenta a protestos de opositores dividiu o grupo na reunião de 2018, em Havana, também não foi a Caracas.

“Há pessoas que cedem, que têm medo de tirar uma foto com a Venezuela e dizem: ‘Maduro é um ditador’, repetindo as mentiras de Donald Trump ”, disse Maduro.

Visto como um encontro "anti-imperialista", o Foro explicou em suas conclusões que Washington, cujas sanções incluem o embargo ao petróleo venezuelano, busca "impor um cenário de guerra" na região. Isto, segundo o grupo, fica evidenciado pelas "múltiplas formas de agressão contra a Venezuela, particularmente através do bloqueio criminoso imposto pelos Estados Unidos".

Na reunião, que reuniu cerca de 720 delegados de mais de 70 países, Maduro afirmou que "uma união verdadeira da esquerda é fundamental" quando o grupo "tem fama de ter um vírus para a autodivisão".

Leia também: Mujica diz que Venezuela vive uma ditadura, mas critica interferência externa

Com a economia reduzida pela metade em cinco anos e uma inflação projetada pelo FMI de 10.000.000% para final de 2019, Maduro acusa os Estados Unidos de realizar um plano para derrubá-lo.

Venezuela "sitiada"

Entre os aliados de Maduro, o único que compareceu ao encontro foi o presidente cubano Miguel Díaz-Canel , que afirmou que a Venezuela, apesar de "sitiada", é a "primeira trincheira da luta anti-imperialista" no combate aos governos de direita.

“Ratificamos frente ao mundo nosso respaldo ao presidente Nicolás Maduro”, disse Díaz-Canel, aplaudido por partidários do líder venezuelano e delegados internacionais.

Segundo o presidente de Cuba , o "cerco se fecha cada vez mais" sobre Cuba, assim como sobre a Venezuela e Nicarágua.

“A administração dos Estados Unidos começou a atuar com maior agressividade para impedir a chegada de combustível a Cuba, querendo cortar nossa luz, água e até o ar”, disse Díaz-Canel.