Tamanho do texto

Arquiteto responsável pelas obras de restauração de Notre-Dame mostrou preocupação com estrutura da catedral. Países europeus estão em alerta

Catedral de Notre-dame foi atingida por incêndio no mês de abril arrow-options
Reprodução/The Washington Post
Catedral de Notre-dame foi atingida por incêndio no mês de abril

As altas temperaturas que têm assolado a Europa podem causar um precipitado desabamento do teto da Catedral de Notre-Dame , devastada por um incêndio em abril passado, em Paris, na França. A informação foi revelada nesta quarta-feira (24) pelo arquiteto responsável pelas obras de restauração, Philippe Villeneuve. 

Apesar das dezenas de sensores instalados no monumento não apresentarem sinais de riscos, o francês está preocupado porque as paredes ainda estão saturadas com a água utilizada pelo Corpo de Bombeiros para conter as chamas.

Segundo Villeneuve, o calor pode provocar uma secagem da estrutura em um ritmo acelerado, principalmente em decorrência da massa de ar quente recorde que tem atingido Paris nos últimos dias. "O que eu temo é que as ligações da alvenaria percam a sua coesão enquanto secam. E de repente, o teto abobadado cede", explicou.

Leia também: Junho foi o mês mais quente já registrado no mundo desde 1850, diz agência

Boa parte dos países da Europa Ocidental está enfrentando temperaturas recordes novamente nesta quinta-feira (25), com a segunda onda de calor registrada em um mês. A expectativa é de que hoje os termômetros atinjam seu pico histórico. Um alerta vermelho  foi emitido em todo o território francês. Em Paris, foi registrado 41º C por volta das 13h42 (horário local), um recorde absoluto desde 1947, informou o serviço de meteorologia do país, Météo France. A Cruz Vermelha distribuiu garrafas de água para moradores de rua da capital francesa. Além disso, a população foi orientada a evitar viagens longas. 

Já o Reino Unido também registrou uma temperatura recorde para julho, com 36,9ºC. Os trens foram alertados para funcionar com velocidade reduzida. Na Holanda , por sua vez, os termômetros registraram a maior temperatura de todos os tempos, com 38,8ºC.

Leia também: França aprova lei para reconstruir Catedral de Notre-Dame

"As mudanças climáticas aumentaram a probabilidade e a gravidade dos episódios de ondas de calor em toda a Europa", disse o serviço nacional de meteorologia britânico. Na Bélgica e Alemanha o calor extremo atingiu temperaturas de 40,2ºC e 40,5ºC, respectivamente. As autoridades belgas emitiram alerta vermelho na maior parte do país. 

Itália 

Na Itália , a onda de calor continua com temperaturas atingindo 40º C. O Ministério da Saúde emitiu um alerta vermelho para pelo menos oito cidades italianas. São elas: Bolonha, Frosinone, Gênova, Pescara, Rieti, Roma, Trieste e Verona. As temperaturas, no entanto, devem diminuir a partir da próxima sexta-feira (26) em toda a Europa. 

Na Itália, a previsão é de que, a partir de 27 de julho, a passagem de um ciclone do Atlântico baixará as temperaturas em até 15 graus. Diversas regiões serão atingidas por tempestades. A nova onda de mau tempo passará pela região centro-norte do país e se estenderá pelos Alpes. Além disso, chuvas de granizo poderão afetar a Toscana, Florença, Roma, Úmbria e as regiões do Adriático.