Tamanho do texto

Mais de 40% da bancada democrata não apoiaram requerimento, que seguiu condenação de tuítes racistas do presidente

Trump arrow-options
Reprodução/The White House
Donald Trump se livrou de processo de impeachment


A Câmara de Representantes dos Estados Unidos rejeitou nesta quarta-feira (17) uma proposta para iniciar um processo de impeachment de Trump, em meio à indignação pelos comentários racistas do presidente emitidos no final de semana . A Casa legislativa, dominada pelos democratas com 235 cadeiras, rejeitou a proposta por 332 votos contra 95, o que revelou a divisão dentro do partido sobre o tema. Foi a primeira votação sobre a questão desde que os democratas assumiram o controle da Câmara em janeiro. 

Leia também: Após atacar democratas, Trump diz que ‘não tem um único osso racista’ no corpo

Noventa e cinco deputados democratas — pouco mais de 40% da bancada do partido — votaram contra a resolução de i mpeachment de Trump , um número maior do que o registrado em resoluções anteriores em 2017 (quando 58 democratas votaram contra) e 2018 (66 votos contrários).

A decisão do democrata texano Al Green de submeter sua resolução à votação criou um dilema tanto para defensores do impeachment quanto para democratas moderados, já que agora há um registro de seus votos. A líder democrata na Câmara, Nancy Pelosi , havia evitado que o partido submetesse tentativas de impeachment do presidente à votação desde que os democratas reconquistaram o controle da casa. Antes da votação, Green ignorou pedidos para que abandonasse a resolução, afirmando que um pedido de impeachment era a consequência natural da votação que condenou as publicações racistas do presidente no Twitter.

Leia também: Estados Unidos endurecem regras para entrada de imigrantes

"Eu não deveria me conter, devemos ir adiante o mais rápido possível e devemos fazer isso porque ontem (terça-feira) condenamos o presidente. Hoje (quarta-feira) temos a chance de puni-lo", afirmou Green. "Como resultado do que fizemos ontem, o presidente não foi atingido, não terá que pagar multas e não perderá seu emprego. Mas dessa vez temos a oportunidade de puni-lo".

A resolução de Green foi apresentada uma semana antes do depoimento do procurador especial Robert Mueller diante da Câmara, um evento que muitos defensores do impeachment acreditam que será capaz de mudar a opinião pública sobre o tema. O deputado, no entanto, decidiu seguir adiante por acreditar que o Congresso deveria “enviar uma poderosa mensagem a Trump , de que o país não tolerará preconceito, racismo, ódio, xenofobia e islamofobia”, e afirmou que seu pedido não tinha qualquer conexão com as investigações comandadas por Mueller.

Leia também: Congressistas democratas condenam tuítes de Trump e pedem impeachment

"Não se atrasa a Justiça. A audiência de Mueller não tem nada a ver com o impeachment de Trump fazendo agora. Mueller será questionado sobre obstrução, e essa votação é sobre o racismo que tomou conta da política", afirmou o congressista.