Tamanho do texto

Estados Unidos continuam isolados em relação ao combate às mudanças climáticas; cúpula chegou ao fim neste sábado (29) em Osaka, no Japão

Foto oficial do G20
Alan Santos/PR
Grupo das 20 maiores economias do mundo se reuniu em Osaka, no Japão

A cúpula do G-20 chegou ao fim neste sábado, no Japão, com um pronunciamento dos países participantes "em favor dos fundamentos do livre-comércio" e do "crescimento econômico". "Nós, os líderes do G-20, nos reunimos em Osaka, no Japão, em 28 e 29 de junho de 2019, para fazer esforços conjuntos para enfrentar os principais desafios econômicos globais.

Leia também: Bolsonaro cancela reunião bilateral com presidente da China, Xi Jinping

"Trabalharemos juntos para promover o crescimento econômico global, ao mesmo tempo em que aproveitaremos o poder da inovação tecnológica, em particular a digitalização, e sua aplicação para o benefício de todos", diz o texto divulgado ao final do encontro do G-20 .

Os líderes do grupo "estiveram de acordo na sua determinação em favorecer o crescimento econômico" e mostraram sua "ansiedade e descontentamento no contexto da globalização" e pelo "sistema comercial global", disse o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, ao final do encontro, que durou dois dias na cidade de Osaka.

Segundo ele, o grupo "foi capaz de reafirmar os fundamentos do livre-comércio ", destacando o apoio do G-20 para "conseguir mercados abertos, livres e não discriminatórios" e "um campo justo". "É difícil encontrar uma solução para tantos desafios globais de uma só vez, mas conseguimos mostrar uma vontade comum em muitas áreas", afirmou o premier japonês.

Leia também: Bolsonaro disse para Merkel que Brasil é alvo de 'psicose ambientalista'

Clima

Depois de muita discussão, o Grupo dos 20 também concordou, no sábado, em discordar sobre o combate às mudanças climáticas, com os Estados Unidos permanecendo à parte do compromisso de cumprir o acordo de 2015 sobre as mudanças climáticas em Paris. Em comunicado, o grupo disse que "os signatários do Acordo de Paris " reafirmaram seu compromisso com a implementação total, referindo-se aos 19 membros, exceto os EUA.

O presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do acordo marco para limitar os efeitos da mudança climática. Mesmo antes do início da cúpula, as diferenças em relação à mudança climática se tornaram aparentes quando o presidente Emmanuel Macron disse que a França não aceitaria um texto final que omitisse o pacto de Paris.

Leia também: Trump sugere reunião com Kim Jong-un na fronteira entre as duas Coreias

Nesse acordo discutido durante a reunião do G-20 , 200 nações concordaram em limitar o aumento médio global das temperaturas pré-industriais para abaixo de 2°C. As políticas atuais colocam o mundo no caminho para um aumento de pelo menos 3°C até o final do século, informou a ONU, em elatório de 2016.