Tamanho do texto

Segundo o porta-voz da Presidência, cancelamento da reunião foi iniciativa dos franceses; Macron se mostrou insatisfeito com políticas climáticas

Macron serve água para Bolsonaro
Frederico Mellado/ARG
Bolsonaro e Macron se encontraram durante a cúpula do G-20 no Japão

O presidente Jair Bolsonaro se reuniu informalmente com o presidente francês Emmanuel Macron nesta sexta-feira (28), em meio a cúpula do G-20 no Japão . O encontro aconteceu após o governo brasileiro ter anunciado o cancelamento da reunião bilateral entre os líderes.

De acordo com o porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros, Bolsonaro convidou Macron para visitar a Amazônia e reafirmou seu compromisso com o Acordo de Paris, que trata das mudanças climáticas . Além disso, os dois conversaram sobre fronteira entre Brasil e Guiana, comércio internacional e acordo entre União Europeia e Mercosul.

Uma reunião com o francês estava na agenda do presidente brasileiro para esta sexta, mas na noite de quinta-feira (27, pelo horário de Brasília) o encontro foi cancelado. Segundo Rêgo Barros, isso aconteceu por iniciativa dos franceses. 

Mais cedo na quinta, o presidente da França havia ameaçado não assinar nenhum tratado comercial com o Brasil caso Bolsonaro saísse do Acordo de Paris . “Se não falarmos do Acordo de Paris e se não formos capazes de defender nossos objetivos climáticos, (a declaração conjunta) será sem a França”, disse o francês.

As políticas de Bolsonaro para o meio ambiente vêm sendo criticadas internacionalmente. A presidente da Alemanha, Angela Merkel, afirmou no começo da semana que queria conversar com o mandatário brasileiro sobre o desmatamento no país, ao que Bolsonaro respondeu que os alemães “têm a aprender muito conosco” .

Além de Macron , Bolsonaro já se reuniu na sexta com o presidente americano Donald Trump . No sábado, o brasileiro tem encontros bilaterais previstos com outros cinco líderes: Xi Jinping (China), Shinzo Abe (Japão), Lee Hsien-Loong (Cingapura), Narendra Modi (Índia) e Mohammed bin Salman (Arábia Saudita).