Tamanho do texto

Decisão final sobre extradição de Assange cabe à Justiça britânica, que deve julgar o caso nesta sexta; não se sabe se Assange irá ao tribunal

placa pede liberdade de Assange
Reprodução/Ansa
Manifestantes defendem Julian Assange e pedem que ele não seja extraditado

O secretário do Interior do Reino Unido, Sajid Javid, revelou nesta quinta-feira (13) que aceitou a ordem de extradição do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, para os Estados Unidos. Segundo ele, no entanto, a decisão final caberá à Justiça.

Leia também: Hong Kong tem novos protestos e votação da lei de extradição é adiada

Em entrevista a um programa de rádio da BBC , Javid disse que  Assange está "preso justamente". "Há um pedido de extradição dos Estados Unidos que será levado ao tribunal amanhã [14], mas ontem [12] assinei a ordem de extradição", contou.

O caso terá sua primeira audiência nesta sexta-feira (14), e ainda não se sabe se o ativista australiano estará presente no tribunal, dadas as suas precárias condições de saúde.

Ele está na ala hospitalar da penitenciária de segurança máxima onde cumpre uma pena de 50 semanas de prisão por violar as regras de sua liberdade condicional em 2012, quando se refugiou na Embaixada do Equador em Londres.

A decisão final da Justiça sobre a extradição deve ser dada apenas dentro de alguns meses. O fundador do WikiLeaks foi  denunciado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos por "conspirar" com a ex-analista militar Chelsea Manning e por receber e publicar informações confidenciais.

Leia também: Massacre étnico deixa ao menos 95 mortos em vilarejo do Mali

De acordo com os procuradores, Assange agiu ao lado de Manning para obter arquivos secretos, incluindo documentos diplomáticos e relatórios sobre as guerras no Iraque e no Afeganistão.