Tamanho do texto

As duas mulheres foram assediadas e violentamente agredidas quando estavam em um ônibus em Londres; uma das vítimas denunciou homofobia

Vítimas de ataque sentadas no ônibus ensanguentadas
Reprodução/Facebook Melanie Ps
Melanie e Chris foram encaminhadas a um hospital

Um casal formado por duas mulheres foram assediadas e agredidas por quatro homens em um ônibus em Londres. O ataque, que aconteceu no dia 29 de maio, teve motivações homofóbicas. A violência foi relatada por umas delas uma semana depois em seu perfil no Facebook e teve mais de 11 mil compartilhamentos.

Leia também: Comissão de Direitos Humanos da Câmara aprova criminalização da homofobia

Melania e Chris estavam em um ônibus a caminho do bairro de Camdem Town, em Londres, quando foram abordadas por quatro homens que queriam que elas se beijassem para que eles vissem. Ela diz que não se lembra se os homens já estavam no ônibus quando elas entraram, ou se chegaram depois, mas afirma que não havia mais ninguém além deles e do casal .

“Eles começaram a se comportar como hooligans , pedindo que a gente se beijasse para que eles assistissem, nos chamando de ‘lésbicas’ e descrevendo posições sexuais”, relatou. Melania conta que para tentar acalmar as coisas ela começou a fazer piadas e Chris fingiu que estava doente, mas os homens continuaram com os assédios e passaram a jogar moedas nas duas.

Em seu relato, Melania diz que quando percebeu, Chris já estava no meio do ônibus lutando com três dos homens. “Em um impulso, eu fui até lá e encontrei seu rosto sangrando e três homens a espancando. A próxima coisa que eu me lembro é de ser socada. Eu fiquei tonta quando vi meu sangue e caí para trás”.

Leia também: Veja cinco argumentos a favor da criminalização da homofobia no Brasil

Além de espancá-las, os homens também roubaram suas coisas. Quando a polícia finalmente chegou eles não estavam mais lá. O caso está sendo investigado pela Polícia Metropolitana de Londres, que vai analisar as imagens das câmeras de segurança do ônibus.

“O que mais me chateia é que a violência virou uma coisa comum, que às vezes é necessário ver uma mulher sangrando depois de ser espancada para que algum tipo de impacto seja sentido”, desabafou Melanie sobre o ataque . Ela também fez um apelo contra a homofobia : “eu só espero que em junho, mês da diversidade sexual, possamos falar sobre coisas como esta para que elas parem de acontecer”.

Leia também: Homofobia: Jovem agredido até quase morrer precisa de doações para tratamento

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, também reagiu ao ataque ao casal lésbico no Twitter, que ele classificou como “absolutamente chocante”. “Nós não podemos, e não vamos, aceitar esta violência homofóbica e misógina na nossa sociedade. Solidariedade a Melania e Chris, e a todos os membros da comunidade LGBT+ por tudo que eles suportam por simplesmente ser quem são”, disse.