Tamanho do texto

Testemunha da tragédia disse que tentou avisar as pessoas que estavam no local, mas que apenas uma das meninas pôde ser salva antes do deslizamento

Deslizamento pedra Chile
Reprodução/Twitter
Deslizamento vitimou duas crianças em estação de esqui no Chile

"Gritei pedra e todo mundo começou a correr". O supervisor de loja Diego Marinho viu o momento exato em que duas crianças foram atingidas em um deslizamento de pedras na região de Cajón del Maipo, no Chile , nesta segunda-feira (3).

Leia também: Cinco corpos são encontrados em busca por alpinistas desaparecidos no Himalaia

Khálida Trabussi Lisboa, de 3 anos, e Isadora Bringel, de 7, brincavam na neve, perto de uma enconsta, na subida da montanha de El Yeso, a cerca de cem quilômetros de Santiago, capital do Chile . Elas estavam acompanhadas por uma terceira menina, que seria irmã de Khálida, e do pai de uma das crianças. As famílias são de Bacabal, no Maranhão. 

Marinho conta que, ao ver a pedra deslizando, gritou para que as pessoas corressem. Turistas que estavam próximo conseguiram puxar a terceira menina antes que ela fosse atingida.

"Era uma rocha mais ou menos do tamanho de um pneu. Ela acabou batendo uma pedra maior e se dividiu em dois pedaços. Nós gritamos para que as pessoas corressem, mas a rocha atingiu as duas meninas. Como eu estava perto, me entregaram a menina que não se machucou e pediram para que eu cuidasse dela enquanto tentavam resgatar as outras", contou.

O acidente aconteceu na metade do caminho para o topo da montanha, onde é possível ter a visão panorâmica do reservatório de El Yeso . Ainda de acordo com o relato, o pai de Khálida tentou salvar a filha após ela ser atingida — ele tentou reanimá-la, sem sucesso - e, então, descer a criança até a base da montanha .

"O caminho estava muito escorregadio. Para ajudar o pai a descer a criança, alguns outros homens que estavam perto revezaram para segurar a menina e não correr o risco de tropeçar e cair. Eu estava com a terceira criança, que não foi atingida, e desci com eles", relatou Marinho.

Leia também: Lixo nuclear americano é como nova bomba armada nas Ilhas Marshall

A vítima de 7 anos, Isadora Bringel, foi resgatada pouco tempo depois. Segundo Marinho, na tentativa de salvar a criança, os turistas improvisaram uma maca arrancada do local do acidente para descer a menina — ela teve um dos braços quase amputado.

"O pai dessa segunda criança também disse que era médico e fez uma massagem cardíaca nela. A menina chegou a vomitar muita água, como se tivesse se afogado, mas continuou inconsciente", disse o supervisor.