Tamanho do texto

Horas antes de matar 12 pessoas, o engenheiro havia apresentado o pedido de desligamento da prefeitura; ataque aconteceu na última sexta-feira (31)

Ataque Virgínia
Reprodução/ Wavy
Funcionário municipal que foi executado após matar 12, tinha apresentado sua carta de demissão horas antes em Virgínia

O funcionário municipal DeWayne Craddock, que matou 12 pessoas na sexta-feira em Virginia Beach e que foi executado em seguida pela polícia, tinha apresentado sua carta de demissão horas antes de fazer os disparos, segundo autoridades americanas informaram hoje.

Leia também: Chega a 12 o número de mortos em ataque em Virginia Beach, nos EUA

Entrevistado durante uma coletiva de imprensa, o chefe administrativo deste balneário da costa leste confirmou que DeWayne Craddock havia renunciado na sexta-feira com duas semanas de aviso prévio em Virgínia .

"Ele advertiu seus superiores hierárquicos naquela manhã de sexta-feira. Segundo soube, o fez por e-mail. Estamos procurando onde está esse e-mail", declarou Dave Hansen.

Após o ataque a tiros , as autoridades desmentiram boatos segundo os quais Craddock teria sido demitido momentos antes do ataque.

"Não foi demitido e não ia ser demitido. De acordo com o que eu sei, o trabalho do autor (dos disparos) era satisfatório, era bem visto por seu departamento e não havia nenhuma punição em curso", insistiu Hansen.

As dúvidas persistem sobre as motivações de Craddock, um homem na faixa dos 40 anos, que pertencia há 15 ao serviço de obras públicas de Virginia Beach. Os tiros começaram por volta das 16h de sexta-feira em um edifício municipal, quando Craddock atirou em todas as pessoas que encontrou pelo caminho.

Onze das 12 vítimas eram funcionárias da administração municipal desta cidade de 450 mil habitantes,localizada ao sul de Washington , onde também fica uma importante base da Marinha dos Estados Unidos.

Leia também: Ataque a tiros deixa ao menos 4 mortos e 7 feridos em dois bares no Rio

Quatro pessoas ficaram feridas, três delas com gravidade. Craddock estava armado com duas pistolas calibre .45 adquiridas legalmente em 2016 e 2018, segundo a polícia da Virgínia . Outras duas armas foram encontradas na casa do atacante.