Tamanho do texto

Empresa alega que ação faz parte de "campanha de feminilidade"; mulheres tem que enviar fotos das roupas aos chefes para receber o complemento

IstoÉ

rússia
Reprodução/Tatprof
Empresa russa enviou comunicado aos funcionários

A Tatprof, uma fabricante de alumínio da Rússia, está pagando um bônus em dinheiro para as funcionárias usarem saias curtas ou vestidos no trabalho, de acordo com a BBC. A empresa alega que o ato faz parte de uma “campanha de feminilidade” até 30 de junho.

Leia também: Jornalistas russos se demitem após represália a matéria sobre aliados de Putin

Trabalhadoras que usarem vestido ou saias “a menos de cinco centímetros do joelho” recebem 100 rublos – aproximadamente R$ 5,95 – como complemento ao salário. Para receber o bônus, porém, as mulheres devem enviar fotos das roupas para diretores da empresa e, assim, comprovar que podem receber o extra no pagamento.

Nas redes sociais, a atitude da Tatprof foi duramente criticada. A empresa, fornecedora de diversos eventos recentes na Rússia, negou as acusações de sexismo e declarou que várias funcionárias aderiram ao movimento.

“Queríamos alegrar nossos dias de trabalho. Nossa equipe é 70% masculina. Esse tipo de campanha nos ajuda a desligar do trabalho, a descansar. Essa é uma ótima maneira de unir a equipe”, disse um porta-voz da Tatprof em um programa de rádio.

Leia também: Coreia do Norte executou funcionários após fracasso de reunião entre Kim e Trump

A “campanha de feminilidade” da empresa russa envolve outros eventos marcados para o mês de junho, inclusive uma competição para ver qual funcionária faz mais bolos em menos tempo.