Tamanho do texto

Equipe de política do jornal Kommersant pede demissão após colegas serem dispensados em resposta à matéria sobre mudanças entre aliados de Putin

Putin
Divulgação/Kremlin - 28.3.18
Jornalistas russos se demitem após represália a matéria sobre aliados de Putin

Nesta segunda-feira (20), um editor sênior e dez jornalistas do jornal russo Kommersant se demitiram em protesto à dispensa de dois colegas devido a um artigo sobre uma possível mudança entre os aliados mais próximos a Vladimir Putin .

As saídas, que envolvem toda a editoria de política do diário, indicam um aumento das tensões na já complicada relação entre jornalistas na Rússia, cujo cenário midiático é dominado por veículos favoráveis ao Kremlin.

Os dois repórteres, Ivan Safronov e Maxim Ivanon, disseram ter sido forçados a se demitir após a editora responsável pela publicação do Kommersant — propriedade do empresário bilionário Alisher Usmanov — se ofender com um artigo escrito no mês passado.

Leia também: Rússia diz que irá responder às novas sanções dos EUA

O Kommersant , um impresso de ampla circulação comprado por Usmanov em 2006, não respondeu aos pedidos de comentário da agência Reuters .

Um representante de Usmanov disse em declaração separada que "acionistas não têm interferência na política editorial do jornal e, muito menos, nas decisões de demitir ou contratar empregados". Ainda segundo o representante, Usmanov soube da demissão dos repórteres por meio da imprensa.

A matéria em questão, publicada no dia 17 de abril, citava fontes anônimas que afirmavam que Valentina Matviyenko, presidente da câmara alta da Assembleia Federal da Rússia , poderia ser substituída nos próximos meses por Sergei Naryshkin, chefe do Serviço de Inteligência Estrangeiro.

Na época, porta-vozes de Matviyenko e Naryshkin negaram a informação, que ainda estão disponíveis no site do Kommersant , e a classificaram como "rumores". Não se sabe qual foi a razão da desavença sobre a matéria.

Gleb Cherkasov, editor de política do jornal, disse que ele e mais dez colegas se demitiram em solidariedade a Safronov e Ivanon. As baixas, segundo o repórter Vsevolod Inutin, incluem toda a equipe que cobre política para o Kommersant .

"O acionista tem o direito de tomar decisões sobre a equipe, mas a equipe pode discordar apenas de uma maneira — mudando de emprego", Cherkasov escreveu em uma rede social.

Leia também: Rússia culpa EUA por recuo do Irã em acordo nuclear e pede ação de europeus

Renata Yambaeva, subeditora-chefe responsável pela seção de negócios, não se demitiu e culpou Usmanov e um de seus repórteres, Ivan Streshinky, pelas saídas. Ela denunciou as demissões como frutos de uma pressão externa no jornal.

"Talvez haja alguém entre os nossos leitores que possa explicar a Usmanov e Streshinsky que eles, neste momento, estão destruindo uma dos melhores veículos midiáticos russos", disse a jornalista .