Tamanho do texto

Grande fluxo cria perigosos engarrafamentos na chamada 'zona da morte'

Everest
Royal Geographical Society
Dez pessoas já morreram no Everest nesta temporada

Um alpinista britânico e outro irlandês morreram no Everest, elevando para dez o número de vítimas fatais na maior montanha do planeta na atual temporada, onde o grande fluxo cria perigosos engarrafamentos na chamada "zona da morte".

Leia também: Polícia chilena apura se houve negligência no resgate de brasileiros

"Um alpinista britânico chegou ao pico da montanha, mas desmaiou e morreu 150 metros abaixo", afirmou Murari Sharma, da Expedição Everest Parivar. A vítima era Robin Fisher, de 44 anos.

"Nossos guias tentaram ajudá-lo, mas ele faleceu pouco depois do desmaio", disse Sharma. Outro organizador de escaladas confirmou no Facebook a morte de um irlandês de 56 anos na sexta-feira no flanco tibetano da montanha.

Ele havia decidido retornar sem ter alcançado o pico, mas morreu na tenda de campanha no North Col, uma passagem da montanha a 7.000 metros de altitude. Nesta semana também morreram um alpinista americano, um austríaco, um nepalês e quatro indianos. Um irlandês está desaparecido e foi dado como morto depois de ter caído perto do pico.

Ao menos quatro mortes foram atribuídas aos engarrafamentos na chamada "zona da morte".

Desde o início desta temporada, foram registradas cenas de engarrafamentos impressionantes na montanha de 8.848 metros de altitude. O período entre o fim de abril e o mês de maio é considerado mais vantajoso para a escalada do monte, pois as condições meteorológicas são menos extremas.

Até sexta-feira, quase 600 alpinistas alcançaram o topo do Everest na temporada, de acordo com dados divulgados pelas autoridades nepalesas.

Fotos impactantes divulgadas nos últimos dias mostram uma longa fila de alpinistas, muito próximos uns dos outros, arrastando suas botas de escalada na área entre o cume e o desfiladeiro sul, onde fica o último acampamento na encosta do Nepal.

Os analistas afirmam que o engarrafamento é provocado pela proliferação de permissões de escalada, assim como pelo reduzido número de "janelas" meteorológicas adequadas para chegar ao topo. Desta maneira, todas as expedições iniciam o ataque final ao Everest durante os mesmos dias.

Na altura extrema, o oxigênio é mais escasso na atmosfera, e os alpinistas precisam recorrer a garrafas de oxigênio para alcançar o topo. Uma altitude de 8.000 metros acima do nível do mar é considerada a "zona da morte".

"Permanecer muito tempo na zona da morte aumenta os riscos de congelamento, de sofrer o mal da altitude, ou mesmo de morte", explica à AFP Ang Tsering Sherpa, ex-presidente da Associação de Alpinistas do Nepal.

Em 2018, foram registradas cinco mortes na temporada de escalada do Everest. Desde que as autoridades nepalesas liberaram a escalada no Monte Everest nos anos 1990, as expedições comerciais aumentaram, assim como o número de alpinistas.

Leia também: Apoiadores da manifestação pró-governo Bolsonaro usam 'GoT' para convocação

Já neste ano, o Nepal concedeu para a temporada de primavera (hemisfério norte) o recorde de 381 permissões, ao preço de 11 mil dólares por pessoa, de acordo com os últimos dados disponíveis.

Cada titular de uma permissão é acompanhado por um guia, o que significa que mais de 750 pessoas estão na rota para a escalada. Ao menos 140 receberam permissões para escalar o monte Everest  pelo flanco norte, que fica no Tibete.