Tamanho do texto

Doug McLeod é deputado pelo Partido Republicano desde 2012 e já teria agredido a mulher outras vezes; o parlamentar foi liberado após pagar fiança

deputado
Reprodução/BBC
O deputado foi liberado após pagar fiança

O deputado Doug McLeod, do estado do Missisipi, nos Estados Unidos, foi preso acusado de agredir a esposa na noite do último sábado (18). Integrante do Partido Republicano, o parlamentar estava embriagado e teria argumentado que ela demorou muito tempo para tirar a roupa antes de ir para a cama. 

Leia também: De olho na Casa Branca, democrata quer multar empresa que pagar menos a mulheres

De acordo com o jornal Sun Herald , a polícia recebeu uma denúncia de violência doméstica e foi até a casa de McLeod em Lucedale, a 240 quilômetros da capital do estado. O deputado foi encontrado alcoolizado, com uma garrafa de bebida na mão, sua fala estava mal articulada e ele se movimentava com lentidão, andando em ziguezague. 

Ao ser informado que a polícia havia recebido a denúncia, reagiu: "Você está brincando comigo?". De acordo com o relatório policial obtido pelo jornal, a esposa de McLeod foi encontrada assustada e trancada dentro de um quarto com outra mulher, que disse que ela foi até o cômodo com o rosto ensanguentado. 

Essa outra mulher relatou que, após trancar o quarto, o republicano disse que "mataria o cachorro dela" se não abrisse a porta. Já a esposa de McLeod afirmou que o marido a agrediu e já tinha feito isso outras vezes, quando estava alcoolizado. A polícia encontrou sangue na cama do casal e em outros cômodos da casa. 

Leia também: Aumenta a temperatura da batalha jurídica entre Trump e Câmara dos EUA

O deputado foi preso, mas pagou fiança de US$ 1.000 e foi liberado. Colegas de partido e da oposição exigiram que McLeod renuncie ao cargo, que ocupa desde 2012. O presidente da Câmara do Mississipi, Philip Gun, classificou a atitude como "inaceitável". O gabinete do governador do estado também repudiou a atitude e afirmou que, se as acusações forem confirmadas, vai defender que o republicano deixe a função.