Tamanho do texto

Ex-presidente argentina é acusada de liderar um esquema de desvio de dinheiro em contratos de obras públicas no período em que governou país

Cristina Kirchner
José Cruz/Agência Brasil - 16.7.2014
Ex-presidente da Argentina, Cristina Kirchner se disse vítima de ataques por parte do atual governo, de Mauricio Macri

Começa nesta terça-feira (21) o julgamento da ex-presidente argentina Cristina Kirchner, acusada de liderar um esquema de desvio de dinheiro em contratos de obras públicas entre os anos de 2007 e 2015, período que governou o país.

Leia também: De surpresa, Cristina Kirchner anuncia que concorrerá à Vice-Presidência

De acordo com a denúncia, 51 obras teriam sido direcionadas ao Grupo Austral, de Lázaro Báez, que é amigo da família Kirchner , totalizando mais de US$ 1 bilhão. Além do processo de hoje, Cristina é alvo de outros 11 casos na Justiça da Argentina. Por ser senadora, porém, ela tem foro privilegiado.

A ex-presidente pretendia lançar sua candidatura às próximas eleições mas, devido aos problemas judiciais, decidiu sair como vice na chapa encabeçada por seu ex-chefe de gabinete Alberto Fernández.

Leia também: Bolsonaro diz a Bush que está preocupado com possível volta de Cristina Kirchner

O julgamento de hoje intriga os argentinos e divide o país por ocorrer a menos de seis meses das eleições . Nas pesquisas de intenção de voto, Cristina aparecia em primeiro, vencendo o atual mandatário, Mauricio Macri.

Caso seja declarada culpada, a ex-presidente Cristina Kirchner pode ser condenada a até 16 anos de prisão. Porém, a lei a impede que ela seja presa até 2021, quando acaba seu mandato de senadora.

Leia também: Bolsonaro diz que pede a Deus para que Cristina Kirchner não vença na Argentina